menos estatais

Estudos do BNDES para privatização dos Correios avançam com contratação de avaliação financeira

Conclusão total do processo está prevista para até fevereiro

jamildo
Cadastrado por
jamildo
Publicado em 15/07/2021 às 18:30 | Atualizado em 16/07/2021 às 10:20
AGÊNCIA BRASIL
Projeto de privatização dos Correios está parado - FOTO: AGÊNCIA BRASIL
Leitura:

O processo de desestatização do setor Postal teve novo avanço no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com a seleção da empresa responsável por fazer uma avaliação econômico-financeira independente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT).

Conforme a lei, são necessários dois grupos distintos para certificar a avaliação do valor de uma companhia a ser desestatizada, o que será possível com essa nova contratação.

A concorrência atual foi vencida pela BR Partners

De acordo com o banco, a avaliação da BR Partners levará em conta os estudos que já vem sendo elaborados pelo BNDES com a assessoria de dois grupos. O Consórcio Postar, composto por Accenture e Machado, Meyer, Sendacz, Opice e Falcão Advogados avalia o modelo de alienação da ECT.

Já as avaliações contábil-patrimonial, jurídica e técnico-operacional estão em execução pelo Consórcio Carta Brasil, formado pela KPMG e pela Manesco, Ramires, Perez, Azevedo Marques Sociedade de Advogados.

Tanto o Carta Brasil quanto a BR Partners apresentarão avaliações econômico-financeiras independentes para a operação de desestatização dos Correios, com a supervisão final do BNDES.

A avaliação de duas instituições independentes visa a confirmar as premissas adotadas na modelagem da desestatização e assegurar o melhor resultado para a sociedade brasileira e para a União, hoje controladora dos Correios.

“Para um projeto de desestatização tão relevante para o Brasil como o dos Correios, é importante termos empresas experientes que vão nos ajudar a criar o melhor modelo de desestatização que beneficie o país e a população", diz Fábio Abrahão, diretor de Concessões e Privatizações do BNDES, sobre a contratação da BR Partners.

“Em um projeto de desestatização desafiador como o dos Correios, é importante ter empresas experientes que vão ajudar a criarmos a melhor modelo de desestatização para o país e para a população", afirma o Ricardo Lacerda, CEO da BR Partners. “É uma honra fazer parte de um projeto tão estratégico como o dos Correios”.

Os estudos têm sido coordenados pelo BNDES com a supervisão do Comitê Interministerial instituído com base no Decreto 10.066/2019, que incluiu os Correios no Programa de Parceria de Investimentos (PPI).

O Comitê, formado por membros dos ministérios da Economia e das Comunicações, além dos próprios Correios, tem como objetivo acompanhar e opinar sobre os estudos que serão realizados.

A avaliação econômico-financeira contratada é uma etapa fundamental no processo de venda de uma empresa, pois define qual o valor mínimo que o Estado brasileiro deve exigir para venda do controle dos Correios.

O modelo final, com as condições gerais propostas para a venda será submetido ao conselho do PPI. A conclusão total do processo está prevista no início de 2022.

Desestatizações

Atuando junto a todos os níveis da federação, o BNDES possui, atualmente, mais de 100 projetos de desestatização em estruturação que abrangem setores como saneamento, iluminação pública, rodovias, mobilidade urbana, energia elétrica e portuário.

Outras notícias sobre privatização

>> MP que permite a venda da Eletrobras é publicada com vetos

>> Vetos de Bolsonaro à MP da Privatização da Eletrobras por causar efeitos na Chesf

>> Sete grandes empresas que já foram privatizadas

Comentários

Últimas notícias