Blog de Jamildo - Tudo sobre política e economia com informação exclusiva, análise e opinião
Blog de Jamildo

Política do Recife, Pernambuco e do Brasil. Informações exclusivas, bastidores e tudo que você precisa saber sobre o mundo político

opinião

CPI da Covid e a revelação onde o mal se cria

JAMILDO MELO
JAMILDO MELO
Publicado em 20/07/2021 às 13:30
Notícia
EDILSON RODRIGUES/AGÊNCIA SENADO
VACINA Denúncias nas compras de imunizantes são as mais conhecidas - FOTO: EDILSON RODRIGUES/AGÊNCIA SENADO
Leitura:

Por Leonardo Torres, em artigo enviado ao blog

Assistir os relatos dos depoentes da CPI da Covid é presenciar o que há muito tempo Hannah Arendt denominou de "Banalização do Mal" - é sentir, talvez, o que ela mesmo sentiu quando viu o depoimento de Adolf Eichmann em Jerusalém, como bem disse a autora, não querendo conhecer a razão do nacional-socialismo, mas compreender como um indivíduo normal, banal, pode corroborar com o ocorrido nos campos de concentração. A intenção aqui não é comparar o número de mortos, nem as ideologias políticas entre o nazismo e o atual brasileiro, mas frisar que o fenômeno da banalização do mal atua sem escrúpulos neste momento de pandemia.

Este é, sem dúvidas, um dos sentimentos que ficam ao acompanhar a CPI da Covid: como é possível alguém ser capaz de corroborar e intermediar possíveis tentativas de corrupção sabendo que o povo brasileiro, se não morre pelo coronavírus, acaba morrendo pela fome? Como é possível contabilizar que uma possível propina é de mais valia do que a conta de sepulturas já cavadas no país? Como é possível corroborar com alguém que já declarou que prefere o saco preto à vacina?

Aqui não se deve e nem se quer excluir a responsabilidade dos envolvidos, mas compreender que, em suas perspectivas, os depoentes deliram ou mentem acreditando que estão cumprindo seus trabalhos, assim como o nazismo o fez. E esta é uma enorme problemática do mal: ele não se cria com o diabo - ele se cria no intermédio, no vão, no hiato, no vácuo que está posto quando ninguém toma uma atitude, assume uma responsabilidade ou posiciona-se em prol da consciência e da ética. São nas frases "isso não cabe a mim"; "eu não sou responsável por isso"; ou então: "eu estava cumprindo ordens", assim como Adolf Eichmann defendeu-se em seu julgamento. É neste limbo que ninguém alcança que o mal vai à farra e procria-se.

Já o diabo torna-se somente um receptáculo expiatório das igrejas para desviar a atenção do verdadeiro mal que está no meio de nós: o vão entre cada cidadão brasileiro.

Leonardo Torres, 31 anos, psicoterapeuta junguiano e autor do livro Contágio Psíquico.

Comentários

Últimas notícias