visita presidencial

Bolsonaro deve dormir em quartel do Exército, em sua chegada ao Recife

Presidente amplia visitas ao Nordeste, em busca de melhoria da popularidade

Jamildo Melo
Cadastrado por
Jamildo Melo
Publicado em 27/08/2021 às 12:34 | Atualizado em 27/08/2021 às 17:12
EVARISTO SA / AFP
Presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) desembarca no Recife na manhã desta sexta-feira (3) - FOTO: EVARISTO SA / AFP
Leitura:

Na sua chegada ao Recife, na próxima sexta-feira, o presidente Bolsonaro deve pernoitar em um quartel do Exército na capital pernambucana. Ele vai participar de um evento militar, no primeiro compromisso na cidade. O presidente prestigiará a passagem do Comando Militar do Nordeste, nesta solenidade.

A volta à Brasília está prevista para o sábado, depois que o presidente participar de uma motociata, pelo Agreste do Estado, com destaque para Santa Cruz do Capibaribe e Caruaru.

Caso o tempo permita, o presidente Bolsonaro pode ainda participar de um jantar no Quartel do Cabanga com a primeira dama Michele Bolsonaro, marcado há mais de trinta dias, na mesma sexta-feira, no Recife. O evento tem cunho social e deve contar com a presença da ministra Damares Alves, também, além do ministro das Relações Exteriores Carlos Alberto França.

Um grupo de empresários locais planeja se encontrar também com o presidente para entregar um documento sobre o destravamento de investimentos no Estado. Não há confirmação da agenda ainda.

Como haverá uma apresentação da Orquestra Cidadã Meninos do Coque, no Quartel do Cabanga, o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, terá participação tocando sanfona.

Em entrevista à Rádio Jornal, o presidente Bolsonaro foi solicitado a citar o nome de três possíveis candidatos ao governo do estado em Pernambuco. O único nome citado por Bolsonaro foi o do ministro do Turismo Gilson Machado.

"Machado tem sido elogiado pelo seu trabalho à frente do Ministério do Turismo, com grande articulação nacional e volume recorde de entregas à frente do Ministério,outrora sem visibilidade", pregam os aliados.

 

 

Comentários

Últimas notícias