Blog de Jamildo - Tudo sobre política e economia com informação exclusiva, análise e opinião
Blog de Jamildo

Política do Recife, Pernambuco e do Brasil. Informações exclusivas, bastidores e tudo que você precisa saber sobre o mundo político

opinião

Negacionismo hidroenergético. Por Ricardo Leitão

O aumento do preço da energia vai impulsionar a inflação e conter as possibilidades de retomada da economia

JAMILDO MELO
JAMILDO MELO
Publicado em 03/09/2021 às 9:41
Notícia
CAIO CORONEL/ITAIPU
Falta de chuvas agrava crise energética sob governo Bolsonaro, mas ministro disse não haver racionamento previsto - FOTO: CAIO CORONEL/ITAIPU
Leitura:

Por Ricardo Leitão, em artigo enviado ao blog

Foi preciso que os reservatórios das hidrelétricas entrassem em colapso para que Jair Bolsonaro admitisse não existir, entre os seus poderes, o de fazer chover. E não havendo como resolver essa falha operacional de Sua Excelência, todos os brasileiros agora pagam 6,78% a mais nas suas contas de energia, até que os reservatórios voltem a encher – o que só deverá acontecer em abril de 2022.

Até lá, as perspectivas são desastrosas: quedas no fornecimento de energia elétrica, racionamentos e apagões. Sem saídas, o desgoverno vai acionar mais termelétricas, movidas a óleo diesel, cujo preço do quilowatts/hora é o dobro do preço do gerado por hidrelétrica. O aumento do preço da energia vai impulsionar a inflação e conter as possibilidades de retomada da economia.

Para temor generalizado, Bolsonaro tem nas mãos uma nova crise, a hidroenergética, que trata com o negacionismo de sempre: desdenhou dos alertas de que as regiões Sul, Sudeste e Centro Oeste – onde se localizam as grandes hidrelétricas – iriam sofrer uma grande estiagem e era urgente iniciar campanha nacional para redução do consumo d’água.

Corriam os meados de 2020 e nenhuma providência foi tomada. Do contrário, as declarações do presidente e dos seus ministros asseguravam que tudo estava sob controle. Como se tivessem a capacidade de fazer chover no dia, na hora e no local que melhor lhes conviesse. Um negacionísmo irresponsável, igual ao negacionismo diante da explosão de casos de infectados e mortos pela pandemia. Segundo Bolsonaro, em frase inesquecível, “só uma gripezinha”.

Agora, para onde vamos quando a crise hidroenergética se junta às outras crises em que foi mergulhado o Brasil, a sanitária, a econômica, a política, a social e a ambiental? Quem souber ganha um emprego de barbeiro no Afeganistão. O país parou de crescer, mesmo a taxas mínimas. A variação do Produto Interno Bruto (PIB) no último trimestre, divulgada pelo IBGE, foi negativa. Isso significa menos investimento, menos emprego, mais fome e mais tensão.

Em resposta a essa conjuntura terrível, o presidente da República continua a ameaçar a democracia e a se exibir à frente de motociatas. A tentativa de aparentar controle da situação é falsa como uma fake news. Na verdade, ele verga sob o peso de três grandes problemas: um novo, o risco de apagões; e dois mais antigos, o aumento da pobreza e o relatório da CPI da Covid, no Senado. Admita-se cogitar que os dois primeiros problemas podem ser minimizados. O relatório da CPI, no entanto, teria condições de derrubá-lo do poder.

A investigação dos senadores pode indiciar Bolsonaro por prevaricação, curandeirismo, charlatanismo, crimes de responsabilidade e crime contra a humanidade – todos resultantes de sua desastrosa condução no combate à covid-19. A omissão justifica o indiciamento por crime de responsabilidade e a Procuradoria Geral da República irá avaliar o indiciamento no caso dos crimes comuns. Restam os crimes contra a humanidade. Estes serão denunciados ao Tribunal Internacional de Haia, na Holanda, onde Jair Bolsonaro já foi acusado de genocídio de povos indígenas da Amazônia. A comissão de juristas que assessora a CPI, coordenada por Miguel Reale Júnior, fará as tipificações criminais.

Para quem vê de olhos fechados os horizontes de Brasília é impossível que Sua Excelência escape imune do relatório final dos senadores. O presidente sabe disso e não por acaso tentou impedir a instalação da CPI, eleger a maioria de seus integrantes e minar a convocação de testemunhas. Nada deu certo. Controlada com mão de ferro pela oposição, com alta audiência do público, a CPI se transformou em uma arma contra sua reeleição.

O esfarelamento do apoio popular a Bolsonaro surge em todas as pesquisas eleitorais. Ele se apega aos 30% que lhe sobram e, acredita, o encaminhariam ao segundo turno no próximo ano. Um percentual ainda alto, considerando-se tantas crises. Só não precisava que os reservatórios das hidrelétricas fossem secar – logo agora – debaixo de seus coturnos.

Comentários

Últimas notícias