Ameaça às instituições

'Ou se enquadra ou pede para sair', ameaça Bolsonaro, sem citar ministro Alexandre de Moraes, do STF

Alexandre de Moraes virou alvo porque cuida do processo das fake news e será o presidente do TSE, em 2022

Jamildo Melo
Cadastrado por
Jamildo Melo
Publicado em 07/09/2021 às 11:12 | Atualizado em 07/09/2021 às 15:29
Marcos Corrêa/PR
Presidente Jair Bolsonaro se encontra com apoiadores na rampa do Pala?cio do Planalto - FOTO: Marcos Corrêa/PR
Leitura:

Ouça o discurso, realizado nesta terça, na Praça dos Três poderes, referência ao STF, Congresso e Executivo

"A mensagem foi clara e não tem absolutamente nada a ver com ataque a STF ou Congresso, muito pelo contrário. Que o pedido de Jair Messias Bolsonaro por respeito à CF/88 ecoe nos 3 Poderes. Que os 10 do STF possam resolver internamente o único desestabilizador da democracia no momento", dise Flávio Bolsonaro.

Moraes tem mandado prender aliados do presidente que estão fazendo ameaças aos ministros do STF, inclusive de morte.

Resposta de Alexandre Moraes

O ministro do STF Alexandre de Moraes, alvo do presidente e aliados bolsonaristas nas manifestações, respondeu aos ataques, sem citar o chefe do Executivo.

"Nesse Sete de Setembro, comemoramos nossa Independência, que garantiu nossa Liberdade e que somente se fortalece com absoluto respeito a Democracia", afirmou, pelas redes sociais, nesta terça-feira.

Minutos antes da cerimônia de hasteamento da bandeira no Palácio da Alvorada, em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro voltou a fazer críticas indiretas aos ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF).

"Nosso país não pode continuar refém de uma ou duas pessoas, não interessa onde elas estejam. Essas uma ou duas pessoas ou entram nos eixos ou serão simplesmente ignoradas da vida pública. Esse é o meu trabalho. Vou continuar jogando dentro das quatro linhas, mas, a partir de agora, não admito que outras pessoas joguem fora das quatro linhas. A regra do jogo é uma só: respeito a nossa Constituição", disse Bolsonaro.

O presidente afirmou que o seu primeiro discurso do dia iria mirar Alexandre de Moraes e Barroso, em Brasília.

"Um dia do povo, não o dia do presidente, de nenhum autoridade. Hoje é o dia que o povo brasileiro vai nos dar um norte, para onde o Brasil deve ir. Eu apenas hoje quero ser o porta-voz de vocês. O que falarmos a partir de agora estou falando em nome de vocês", afirmou Bolsonaro.

Alexandre de Moraes entrou na mira do presidente porque é o relator no Supremo de três investigações que causam incômodo ao Palácio do Planalto: os inquéritos das fake news, dos atos antidemocráticos e da suposta interferência de Bolsonaro na Polícia Federal.

Já Luís Roberto Barroso é alvo de Bolsonaro desde junho, quando o presidente começou a defender a adoção do voto impresso nas eleições de 2022. O ministro do Supremo, que também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), se posicionou de forma contrária e reforçou que, em mais de 20 anos de voto eletrônico, não houve comprovações de fraudes nas votações, como insinuou Jair Bolsonaro. O presidente, no entanto, confirmou, após diversas suposições, que não tem provas de que houve irregularidades em eleições. No início de agosto, a Câmara dos Deputados barrou o voto impresso.

Comentários

Últimas notícias