Blog de Jamildo - Tudo sobre política e economia com informação exclusiva, análise e opinião
Blog de Jamildo

Política do Recife, Pernambuco e do Brasil. Informações exclusivas, bastidores e tudo que você precisa saber sobre o mundo político

DUBAI

Túlio Gadêlha quer investigação do "trabalho-passeio" de comitiva do Governo Federal

Comitiva do Governo Federal esteve em Dubai

Augusto Tenório
Augusto Tenório
Publicado em 15/10/2021 às 8:01
Notícia
Reprodução
Jorge Seif, secretário de Pesca, em Dubai - FOTO: Reprodução
Leitura:

Túlio Gadêlha (PDT) entrou com representação na Procuradoria Geral da República para solicitar o acompanhamento e a apuração de supostos gastos excessivos autorizados pelo Governo Federal com relação à comitiva de 69 pessoas na Expo Dubai.

Entre setembro e outubro deste ano, a comitiva formada por integrantes de nove ministérios e da vice-presidência foi aos Emirados Árabes. Lá, o intuito seria a participação da feita de negócios. O secretário da Pesca, Jorge Seif, porém, classificou a viagem como "trabalho-passeio" e "top demais".

De acordo com o Portal da Transparência, até então foram gastos R$1,7 milhão com passagens e hospedagem da comitiva. De acordo com levantamento do O Globo, o Governo Federal deve desembolsar R$ 3,6 milhões.

Até o momento já estiveram em Dubai o vice-presidente Hamilton Mourão; o ministro do Turismo, Gilson Machado; e o secretário da Pesca, Jorge Seif. O evento, porém, segue até março de 2022 e deve receber ainda mais brasileiros, como Marcos Pontes, ministro da Ciência e Tecnologia.

Para Túlio Gadêlha, existe contradição no discurso do Governo Federal ao afirmar não ter verba para prestar assistência ao País em tempos de Pandemia enquanto seus integrantes promovem essa viagem.

"São recursos retirados dos cofres públicos e, ao que parece, parte desta quantia foi utilizada para o conforto e entretenimento da equipe do governo que faz parte da comitiva. Enquanto uns fazem viagem de luxo às custas do povo brasileiro, milhares de pessoas aqui estão enfrentando filas para comprar ossos para comer e sobreviver. É inadmissível que isto aconteça em um país em que mais de 19 milhões de pessoas passam fome", posicionou-se.

Comentários

Últimas notícias