ELEIÇÕES 2022

Gilson Machado fala sobre possível candidatura e descasca Raquel, Anderson e Miguel

Ministro do turismo, que já tem candidatura ao Governo ou ao Senado em Pernambuco dada como certa, concedeu entrevista exclusiva ao Blog

Jamildo Melo Augusto Tenório
Cadastrado por
Jamildo Melo
Augusto Tenório
Publicado em 17/12/2021 às 15:59 | Atualizado em 17/12/2021 às 18:25
MINISTÉRIO DO TURISMO/DIVULGAÇÃO
Gilson Machado Neto - FOTO: MINISTÉRIO DO TURISMO/DIVULGAÇÃO
Leitura:

No Recife para cumprir agenda do Ministério do Turismo no Paço do Frevo, Gilson Machado Neto concedeu entrevista exclusiva ao Blog de Jamildo. O ministro, um dos mais próximos ao presidente Jair Bolsonaro (PL), falou sobre entregas da pasta, o cenário político em Pernambuco e sua possível candidatura, não confirmada por ele, mas já dada como certa por aliados no Estado.

Ao ser questionado se a candidatura em Pernambuco, ainda não definida se ao Senado ou ao Governo do Estado, foi passada como uma "missão" por Bolsonaro, o ministro desconversa.

"Essa missão está sendo o Turismo, fazem oito meses que não tenho fim de semana", comentou. Ele disse, ainda, que o Ministério do Turismo era usado como moeda de troca com partidos políticos em outras gestões.

O blog apurou com interlocutores do governo Federal que o plano é deixar o ministério para concorrer ao governo do Estado em março, próximo ao prazo final de desincompatibilização para cargos eletivo. O ministro João Roma para o governo da Bahia e Rogério Marinho, no governo do Rio Grande do Norte, são outros exemplos de aliados que receberam a missão de defender o Bolsonarismo no Nordeste, em 2022, de modo a compensar a perda de votos em outras regiões, além de fazer o enfrentamento do lulismo no Nordeste.

Na entrevista, Gilson Machado também critica colegas que, ao passarem por algum ministério, consideraram concorrer a cargos longe do palanque do presidente, em uma virtual referência a Sergio Moro, que ficou pouco mais de um ano no Ministério da Justiça, antes de sair.

"Sei que meu capital político é de Bolsonaro, sou leal a ele para tudo que precisar. Mas fico feliz em ver meu nome, tanto pro Governo quanto para o Senado, em primeiro lugar nas enquetes". O chefe do Turismo não citou as enquetes as quais se referia.

Questionado sobre os pré-candidatos de direita em Pernambuco, ele descascou os nomes já postos.

"O conservador de direita sabe quem é Bolsonaro e quem não é. Quem dá o primeiro sintoma são os próprios candidatos. Temos Raquel Lyra, Anderson Ferreira e Miguel Coelho. Bote nas redes sociais deles e veja se tem foto com o presidente", sugeriu.

Apesar da crítica a Miguel Coelho (DEM), Gilson Machado poupa Fernando Bezerra Coelho (MDB), que deixou a liderança do governo no Senado

O ministro diz que o parlamentar fez um grande trabalho na pandemia e na PEC dos Precatórios.

"Tudo é cíclico, mas não tenho dúvida que ele continua conosco na base de apoio, que ele é uma peça fundamental para o governo Bolsonaro".

Ao responder sobre quem seria o melhor candidato da situação (PSB) para os conservadores enfrentarem na eleição ao Governo de Pernambuco, ele deixa escapar sua candidatura.

"Não escolho adversário".

Depois, o ministro continua e tenta disfarçar.

"A gente, conservador, não escolhe adversário. Tem que dar a chance de ter um conservador, qualquer um que vier. Isso é democracia, nossa festa democrática".

Comentários

Últimas notícias