PSB

Paulo Câmara avalia que aliança nacional com PT não pode impedir discussões locais

Governador de Pernambuco e vice-presidente do PSB abriu o jogo sobre aliança com PT e elogiou Geraldo Alckmin

Augusto Tenório
Cadastrado por
Augusto Tenório
Publicado em 18/01/2022 às 10:19
BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
"Já estão autorizadas intervenções necessárias nas unidades de saúde, inclusive todas as questões financeiras estão devidamente equacionadas", frisou Paulo Câmara, ao ser questionado sobre o descaso com o Hospital da Restauração - FOTO: BRUNO CAMPOS/JC IMAGEM
Leitura:

Em entrevista ao jornalista José Matheus Santos, da Folha de São Paulo, Paulo Câmara (PSB) comentou o panorama da possível aliança nacional do seu partido com o PT. Na visão do governador de Pernambuco, empossado nesta terça como presidente do Consórcio Nordeste, uma união nesse sentido não pode impedir as discussões locais, e vice-versa.

"Tenho um otimismo grande de que será possível fazer essa aliança no âmbito nacional e continuarmos discutindo questões locais. Mas as questões locais não podem nunca ser impedidoras de uma ação maior que, no entendimento hoje, é estarmos muito unidos em torno da candidatura do presidente Lula", disse Paulo Câmara na entrevista ao jornal.

A principal questão envolvendo a possível aliança entre o PSB e o PT envolve disputas pelas candidaturas aos governos de estados-chave para os partidos. Já especulado como candidato ao Senado, o governador de Pernambuco deve permanecer no cargo até o final do mandato, abrindo mão de concorrer a cargo eletivo nas eleições deste ano.

Paulo Câmara também já foi avaliado como possível ministro de Lula (PT), caso o ex-presidente vença a disputa presidencial, mas negou os rumores. Apesar disso, está atento ao que acontece em Brasília e não se furtou de comentar a possível chegada de Geraldo Alckmin, provável vice na chapa com o petista, no PSB.

"Seria uma boa contribuição que a gente poderia dar a essa construção que a gente quer de unidade nacional, dados os riscos que temos enfrentado no Brasil e que podem ser agravados caso haja uma reeleição do presidente Bolsonaro", avaliou o governador de Pernambuco.

Comentários

Últimas notícias