13
set

Copergás entra no segmento de empresas com ratings e recebe AA-(bra) da Fitch já na primeira avaliação

13 / set
Publicado por Fernando Castilho às 21:00

concurso-copergas
Companhia Pernambucana de Gás – Copergás, recebeu da Fitch Ratings o conceito AA- (BRA) pela performance financeira

 

A  Companhia Pernambucana de Gás – Copergás,  recebeu da Fitch Ratings o respeitável selo de  empresa com ótima saúde financeira: com o conceito AA- (BRA). A Fitch Ratings, uma das maiores agências mundiais de classificação de Riscos do mercado.

Com forte avaliação sobre a saúde financeira, traduzida em robustez e previsibilidade,  foi contratada pela Copergás para fazer sua avaliação corporativa em virtude da necessidade da Copergás cada vez mais se afirmar no mercado como uma grande companhia de infraestrutura confiável e com modelo de governança consolidado e atuante de acordo com as melhores práticas de mercado.

Como resultado a Fitch Rating atribuiu pela primeira vez a classificação AA-(bra). No mercado de gás natural fora a Copergás a única companhia que tem rating é a Comgas – Companhia de Gás de São Paulo. O rating da Copergás reflete os fortes fundamentos de seu negócio de distribuição de gás natural, bem como a expectativa da Fitch de que a empresa será capaz de preservar o sólido perfil financeiro, apoiado em índices de alavancagem conservadores, adequada liquidez e robusta geração operacional de caixa frente aos investimentos planejados.

As atividades da Copergás apresentam perspectivas positivas de crescimento a médio e longo prazos, suportadas pela expectativa de expansão de sua rede de distribuição e pela previsibilidade de demanda acima da média de outros setores da economia, quando não considerado o fornecimento para o segmento de geração de energia termelétrica, cujo único cliente é a Termopernambuco.

O perfil de crédito da Copergás se beneficia, ainda, do longo prazo de seu contrato de concessão, o qual possui cláusulas de repasse de variação de custos não administráveis, que preservam as margens brutas definidas junto ao regulador.

A Fitch considera moderado o risco regulatório da Copergás, com base nos satisfatórios históricos de reajustes tarifários e de margem bruta. A classificação incorpora, ainda, o fato da Companhia ter como sócio majoritário (51% das ações ordinárias), o Governo do Estado, na condição de controlador, no entanto como existem dois sócios Mitsui e Gaspetro, (cada um respectivamente com 24,5% de ações ordinárias e 50% cada das ações preferenciais), reduz o risco de ingerência política nas tomadas de decisões estratégicas.

O histórico favorável e a existência de acordo com os outros dois acionistas (Mitsui e Gaspetro) atenuam parcialmente este risco. A exposição ao único fornecedor de gás (Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras), com cláusulas de take-or-pay e ship-or-pay, que podem acarretar perdas em cenários de consumo desfavoráveis de seus clientes, além das incertezas quanto ao seu suprimento após o término do contrato, em 2021, também impactaram negativamente a análise.

Perfil Financeiro Conservador e Maior Geração Operacional de Caixa

A Copergás deve manter alavancagem financeira líquida próxima a zero, mesmo após a captação por meio do BNB de R$ 20 milhões de reais, restando ainda uma segunda captação de R$ 30 milhões, totalizando um plano de investimento para os próximos cinco anos de R$ 300 milhões de reais.

A expectativa é de que a Copergás mantenha adequada liquidez nos próximos anos, com volume de caixa e aplicações financeiras superior à dívida de curto prazo, apesar da agressiva distribuição de dividendos planejada no período. A flexibilidade financeira da companhia é confortável, baseada na força de sua geração operacional de caixa e em recebíveis disponíveis para eventuais garantias a dívidas.

A Fitch acredita que o EBITDA da Copergás se fortalecerá de forma significativa em 2016, e que este apresentará aumento de 54% — para R$ 108 milhões, frente aos R$ 70 milhões registrados em 2015. O crescimento do EBITDA será suportado, principalmente, pela interrupção dos prejuízos decorrentes do contrato de fornecimento de gás à Termopernambuco, após o cancelamento da isenção fiscal de fornecimento de gás ao segmento de geração de energia termelétrica no Estado de Pernambuco.

A geração operacional de caixa também se beneficiará do aumento, ocorrido em 1º de maio, da margem bruta de fornecimento para os segmentos industrial, comercial, automotivo, residencial e de cogeração, para R$ 0,295, de R$0,239 por metro cúbico de gás faturado, bem como do crescimento do volume estimado de distribuição para a Refinaria Abreu e Lima e para a Termopernambuco.  As projeções da Fitch consideram aumento de 17% do volume faturado total em 2016, com redução de 3% caso excluídas as vendas para a Termopernambuco e para a refinaria.

 

decio-padilha Coergás
Segundo o presidente da Copergás, Décio Padilha no mercado de gás natural a Copergás, a única companhia que tem rating é a Comgás – Companhia de Gás de São Paulo.


Veja também