24
ago

O presidente tocou fogo

24 / ago
Publicado por Fernando Castilho em Notícias às 20:30

Quem quiser que ache ruim, mas quem tocou fogo na questão do desmatamento foi o presidente da República Jair Bolsonaro. Desde a campanha. Ele se enrolou na bandeira nacional para dizer que tem ONG querendo tomar a Amazônia, que não existe desmatamento e vai por aí. O gesto do presidente – depois da posse – foi lido pelo pessoal da grilagem como um sinal verde, que havia uma Amazônia a ser ocupada.

O modelo é conhecido: escolhe-se áreas contígua a áreas legalizadas; faz-se o desmatamento de dentro para fora, vendendo a madeira e, a seguir, se toca fogo. No ano seguinte, depois da temporada de chuva, a pastagem vira cultura de ciclo curto com capim para o gado. A atuação de cartório corrupto legaliza a nova propriedade.

O que o presidente não entendeu é que esse pessoal não é o mesmo do agronegócio, que está há muito tempo nas áreas – que também já foi floresta ou cerrado – e que hoje produz grãos. É uma nova geração agricultores que já usa mais tecnologia nas culturas que a Embrapa e está buscando selo verde e até reflorestando. Quando o presidente não põe luz na atividade de ponta, o grupo marginal passa a entender que Bolsonaro está do lado deles e tome fogo e motosserra.

Lança-chamas x mangueira d’água

O problema é que, ao radicalizar sem definir quem é quem, ele juntou todo mundo contra. E aí, o seu governo, o Brasil e o agronegócio está sendo vítima da própria desinformação que ele espalhou globalmente. Agora, o fogo virou discurso verde de classe mundial. Mas o problema é que ele continua com o lança chamas ligado, em lugar da mangueira d’água. Vai se queimar mais do que já se queimou. A sabedoria popular ensina que só deve falar quando alguém quiser lhe ouvir. Hoje ninguém mais quer ouvir Bolsonaro.

Briga no Brasil efeito lá fora

O problema do discurso incendiário do presidente é que ele municiou a oposição interna e externamente. O discurso interno mira o enfraquecimento do governo. O externo, o negócio. O ruim dessa posição é que fomenta desinformação como do cultivo de milho e soja geneticamente modificados, exportação de rações baratas e rebanhos à custa da floresta tropical.

Queimada não é incêndio de seca

O que pouca gente percebe é que existe uma distância Transamazônica entre o fogo na floresta e do cerrado (efeito da seca) que queima plantação e intoxica cidades.

Na Amazônia, o fogo serve para abrir clareira para o capim e depois o gado. No Cerrado e, na pré-Amazonia, é perda de produção e destruição de infraestrutura de produção.


Veja também