13
fev

Moura Dubeux estreia hoje no Novo Mercado da Bolsa de Valores de São Paulo

13 / fev
Publicado por Fernando Castilho em Notícias às 6:00

Segunda empresa com sede em Pernambuco com capital aberto e terceira a entrar no Novo Mercado este ano, a Moura Dubeux estreia, hoje, no pregão da Bovespa valendo, aproximadamente, R$ 1,8 bilhão.

O objetivo é se apresentar ao mercado nacional e aproveitar a onda de procura por títulos renda variável que assola o país desde que a Poupança começou a perder da Selic – que entre outubro de 2016 e a semana passada, caiu 10 pontos percentuais – na maior redução de sua história.

Líder do mercado regional, com estoque de bons terrenos e líquida para pagar o que deve aos bancos, a MD está entregando 71% de suas ações em troca de R$ 1,25 bilhão que entrarão no caixa da companhia dando poder de fogo nas negociações com fornecedores e reduzindo o endividamento.

Mas o que a companhia fundada pelos irmãos Aloísio, Gustavo e Marcos Dubeux, há 30 anos, deseja é aproveitar o vácuo que as grandes empresas do setor deixaram na Região quando do encolhimento na crise.

A Moura Dubeux identifica um cenário de oportunidades: baixos estoques, ausência de concorrentes de peso nas praças onde atua, diminuição do número de companhias no mesmo setor nas suas praças e procura crescente por produtos do segmento A e B. Um caixa mais robusto lhe permitirá ocupar a região onde já atua e possui terrenos com facilidades.

A empresa já sonha com o Novo Mercado, onde está classificada na B3, há vários anos. Mas dessa vez decidiu ir buscar apoio para sua Oferta Inicial de Ações (IPO na sigla em inglês) com grandes bancos o que lhe permitiu, após road-show nas cidades de Londres, Nova Iorque, Boston e Chicago, acessar investidores internacionais fato que atiçou o interesse de investidores locais no lote suplementar que – segundo fontes do mercado – foi bem maior que o ofertado.

Nada mal para quem nos últimos anos viu o negócio encolher e crescer o endividamento com os bancos. O IPO com ações cotadas a R$ 19, deve ajuda a elevar o ânimo do setor que gera mais rápido o emprego formal quando a economia melhora.


Veja também