02
set

Por que os ônibus estão queimando na Região Metropolitana do Recife?

02 / set
Publicado por Roberta Soares às 8:04

Foram quatro ônibus em 15 dias, levantando desconfianças sobre a manutenção e segurança da frota. Fotos: Acervo JC Imagem

 

Ônibus têm pegado fogo nas últimas semanas e meses na Região Metropolitana do Recife, algo até então incomum para a população. Por sorte, o pernambucano não tem hábitos incendiários e a frota de coletivos não costumava provocar episódios do tipo. Mas foram três ônibus que queimaram em apenas 15 dias este ano e outros três queimados em 2018. Tudo caminha, de fato, para causas de origem técnica, mas a sequência de incidentes precisa ser discutida e entendida sob risco de comprometer a segurança dos passageiros. Afinal, estamos falando de ônibus que operam um sistema de transporte urbano, que atende 15 municípios e que leva e trás, todos os dias, 2 milhões de pessoas. Além disso, os episódios levantam dois questionamentos que precisam ser respondidos: as queimas, que não foram incendiárias, podem ser subentendidas como consequência de uma frota velha? E quem vai pagar por esses veículos queimados – o sistema, ou seja, os passageiros, ou será o setor empresarial?

O Blog MoveCidade foi em busca dessas respostas. Em primeiro lugar, a conta não será paga pelo sistema de transporte, ou seja, pelo passageiro. Se não houver uma reposição pelas montadoras – caso se confirme que a causa foi falha técnica –, as operadoras terão que repor. A informação foi repassada pelos empresários e confirmada pelo órgão gestor do sistema de transporte da RMR, o Grande Recife Consórcio de Transporte (GRCT). “Faz parte do risco do negócio”, informou o GRCT por nota.

O passageiro da Região Metropolitana do Recife também não está viajando numa frota de ônibus velha, sob risco iminente de pegar fogo a qualquer momento. Pelo menos é o que garantem os números oficiais informados pelo governo de Pernambuco. Ninguém do GRCT foi disponibilizado para falar, mas o órgão respondeu a um questionamento feito pelo blog, no qual afirma que a idade média da frota de ônibus da RMR é de 4,37 anos – o que estaria dentro da média exigida para o sistema no caso das permissões (operadas sem licitação) e da NBR 15570 de fabricação de veículos, que estipula em no máximo dez anos a idade máxima para circulação de ônibus básicos. A idade média da frota melhorou em 2015, quando chegou a 4,13 anos, mas apesar de ter envelhecido nos anos seguintes, tem se mantido na casa dos quatro anos em 2019. O ônibus mais velho do sistema é de 2009 e o mais novo deste ano, segundo o GRCT.

Dois dos três ônibus que queimaram (um deles parcialmente) entre os dias 14 e 25 deste mês (agosto) – linhas 1992 (Pau Amarelo/Cais de Santa Rita) e 1967 (Igarassu/Dantas Barreto) ainda estavam dentro da garantia de um ano dada pelas montadoras: chassi da Volks Bus (MAN) e carroceria da Marcopolo. Os dois coletivos são da Cidade Alta, empresa que integra, junto com a Itamaracá e a Rodotur, o Consórcio Conorte (opera com contrato de concessão pública). E foram comprados em setembro de 2017 e novembro de 2018. Ou seja, são novos.

LEIA MAIS
Quem vai pagar a conta da refrigeração dos ônibus?
Transporte por ônibus perde 12,5 milhões de passageiros em um ano
MaaS como salvação do transporte público brasileiro

Os outros dois ônibus da CDA que pegaram fogo em maio e julho de 2018 também tinham sido adquiridos no mesmo lote de 2017. Já o veículo da Vera Cruz, que pegou fogo após um curto-circuito na Avenida Conde da Boa Vista, ao lado de uma estação improvisada de BRT, era 2014. “Apesar da crise econômica que impacta no sistema de transporte do País, o Recife tem hoje a frota de ônibus mais nova de todo o Nordeste. Enquanto nossa média é inferior a cinco anos, a de João Pessoa (PB) é 6,38, de Natal (RN) é 8,94, Maceió (AL) é 7.97 e Aracaju (SE) é 7,66. Para citar alguns exemplos. Por isso, estamos falando de veículos novos. A população pode ficar tranquila porque está viajando numa frota conservada e nova”, afirmou o diretor de Operações do Conorte e diretor-executivo da CDA, Almir Buonora.

O problema da queima dos ônibus transcende o aspecto financeiro. É preciso descobrir o que está provocando o fogo, já que nos três ônibus que queimaram nos últimos 15 dias o incidente se deu da mesma forma: o veículo circulava sem problemas, quando o motorista ouviu um estrondo e o motor começou a pegar fogo. Para os operadores, a causa é técnica e está associada a algum erro no processo de montagem. E é fundamental descobrir onde está a falha para evitar novos episódios. Todos os três veículos eram Volks Bus (chassis da VW Caminhões e Ônibus) com carroceria da Marcopolo. Por sorte, o quarto ônibus da CDA que pegou fogo na noite do domingo (25) não queimou completamente. “Foi possível salvar parte do módulo do motor, que é uma espécie de caixa preta e permite investigar o que provocou o incêndio. O problema, com certeza, está no chassi e, por isso, técnicos da Volkswagen estiveram no Recife por dois dias investigando e periciando o veículo. Nós temos total interesse em resolver essa questão e vamos resolvê-la. Todos podem ficar tranquilos”, garantiu o representante da Marcopolo no Recife, Humberto Cavalcanti.

Inicialmente, o JC não conseguiu contato com a VW Caminhões e Ônibus, mas nesta segunda-feira (2/9), a empresa enviou um comunicado discordando do posicionamento da Marcopolo e afirmando que o problema não estaria no chassi. “A VW Caminhões e Ônibus acionou suas áreas técnicas e enviou equipes para análise local das ocorrências e não foram identificados problemas técnicos de produção ou projeto do chassi que pudessem ocasionar o incidente. O caso continua em investigação, o que envolve ainda a análise junto à encarroçadora, o trabalho de manutenção técnica periódica dos veículos e eventuais fatores externos. A empresa segue acompanhando o tema”, disse no comunicado oficial.

De tão incomuns, as queimas dos ônibus levantaram suspeitas da sociedade. É tanto que representantes da Frente de Luta pelo Transporte Público de Pernambuco (FLTP) deram entrada na Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado – a quem o GRCT está subordinado – num pedido de informações sobre providências e vistorias feitas nos coletivos que pegaram fogo. Depois de um encontro com o secretário Marcelo Bruto ficou definido que um comissão formada por membros do Conselho Superior de Transporte Metropolitano (CSTM) – órgão máximo nas decisões do sistema de transporte da RMR – irá acompanhar as investigações dos incêndios. “Nos chama atenção por já ser o quarto veículo que pega fogo em menos de um ano. A população não pode ficar refém de uma possível falta de manutenção por parte das empresas. Felizmente, não houve feridos, mas poderia ter tido”, afirmou Pedro Josephi.

O GRCT e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Pernambuco (Urbana-PE) afirmaram estar aguardando as perícias, garantiram que o prejuízo não terá reflexo na tarifa, que as vistorias são periódicas e que os ônibus têm idades dentro da média exigida pelo setor. Segundo o Grande Recife Consórcio, a renovação da frota anual segue sem contratempos. “De dezembro de 2018 a novembro de 2019 está prevista a renovação de 655 veículos. Até o momento, já foram renovados 434 veículos”, disse o órgão em nota. Em relação às vistorias, 425 são realizadas por mês nas garagens das empresas e em operações especiais nos terminais.

 


Veja também