24
nov

Gerrard: o craque que venceu a Champions, mas não a Premier League

24 / nov
Publicado por Marcos Leandro às 18:35

Oli Scarff/AFP
Oli Scarff/AFP

 

O futebol, às vezes, é muito cruel. Steven Gerrard sempre será um dos maiores ídolos da história do Liverpool, clube o qual defendeu por quase duas décadas. Nesta quinta (24/11), o jogador anunciou que vai se aposentar, enterrando de uma vez por todas o sonho da torcida, que alimentava a hipótese de um dia o camisa 8 voltar a vestir a camisa dos Reds para ser campeão inglês.

Gerrard deixou o time da Terra dos Beatles no final da temporada 2014/2015 para jogar nos Estados Unidos, pelo Los Angeles Galaxy. Sua ligação com o clube era visceral, tamanha a sua dedicação com a camisa vermelha, a qual vestiu em mais de 700 jogos. Mas por essas incertezas do futebol, Gerrard não conseguiu vencer o Campeonato Inglês.

O Liverpool venceu a competição pela última vez em 1990. De lá para cá, já com o camisa 8 no time, os Reds chegaram perto. Foram vice-campeões em 2002, 2009 e 2014. Foi justamente em 2014 que o futebol pregou uma das suas peças mais dramáticas.

O Liverpool liderava a Premier League já na 35ª rodada, com três pontos a mais do que o Manchester City. O próximo duelo era contra o Chelsea, de José Mourinho. No final do primeiro tempo, Gerrard escorregou, deixando Demba Ba livre para abrir o placar para os Blues, que venceriam o jogo por 2×0. O Manchester City acabou ultrapassando o Liverpool nas duas rodadas finais e foi o campeão.

 

 

Se não foi campeão inglês, Gerrard ganhou a histórica Champions League de 2005, quando o Liverpool desceu para o intervalo perdendo por 3×0 para o Milan, mas empatou no segundo tempo e foi campeão nos pênaltis.

Eu tive uma carreira incrível e estou muito agradecido por cada momento passado no Liverpool, na seleção inglesa e no LA Galaxy

Steven Gerrard, ex-jogador do Liverpool

Nascido em Whiston, no subúrbio de Liverpool, Gerrard deu os primeiros passos no clube com apenas oito anos de idade, e atuou por lá 17 temporadas como profissional, 12 como capitão.

 

Filippo Monteforte/AFP
Filippo Monteforte/AFP
publicidade


Veja também