24
jan

Alexis Sánchez e a mística da camisa 7 do Manchester United

24 / jan
Publicado por Marcos Leandro às 18:42

Fonte: Twitter Manchester United

 

Na sua luta para voltar às grandes conquistas, o Manchester United tirou Alexis Sánchez do rival Arsenal. E o chileno vai vestir a tradicional camisa 7 nos Red Devils.

Grandes ídolos da história do clube já jogaram com este número nas costas, como o explosivo Georg Best, nas décadas de 1960 e 1970. Depois, foi a vez de Bryan Robson, que jogou 13 temporadas pelo United. Nos anos de 1990, o francês Eric Cantona marcou época, assim como David Beckham.

O último a vestir a camisa 7 e encantar a torcida do Manchester foi simplesmente Cristiano Ronaldo, que ganhou a Champions League pelo clube em 2008 antes de se transferir para o Real Madrid.

COPA DA LIGA INGLESA

Sem Alexis Sánchez, o Arsenal deu uma importante resposta ao seu torcedor nesta quarta (24/1) diante de outro rival. O time de Londres recebeu o Chelsea, no Emirates Stadium, e garantiu vaga na decisão da Copa da Liga Inglesa ao vencer por 2×1, de virada. As equipes haviam ficado no empate sem gols na ida, no estádio Stamford Bridge. O Arsenal garantiu o direito de enfrentar o Manchester City no dia 25 de fevereiro, no estádio de Wembley, em Londres, pela decisão do torneio.

O Chelsea surpreendeu com uma postura ofensiva e tomou o campo de ataque nos primeiros minutos. Aos quatro, Pedro recebeu na área e cabeceou para a rede, mas estava impedido. Mas, aos seis, não teve jeito. Kanté tocou para Pedro, que rapidamente encontrou Hazard. O belga arrancou, invadiu a área e tirou de Ospina para comemorar.

 

Foto: Glyn KIRK / AFP

 

Aos poucos, o atordoado Arsenal foi acordando e não demoraria para chegar ao empate, com uma boa dose de sorte. Aos 11 minutos, Ozil cobrou escanteio da esquerda e Monreal tocou de cabeça para o meio. A bola desviou em Alonso e ia para fora, mas bateu também em Rüdiger e tirou qualquer possibilidade de defesa de Caballero.

Os gols tão cedo deixaram o duelo imprevisível. O Chelsea voltou a atacar aos 20 minutos, quando Pedro tocou para Hazard, que deu belo corta-luz e deixou a bola chegar para Willian. O brasileiro bateu cruzado, mas errou o alvo. Logo na sequência, porém, o meia precisou ser substituído por Barkley graças a uma lesão muscular.

A alteração fez o Chelsea cair de rendimento e o Arsenal aproveitou para tomar o comando do duelo. Sempre contando com os desvios para levar perigo. Aos 33 minutos, Xhaka bateu falta da direita, a bola tocou na barreira e raspou o travessão. Já nos acréscimos, Ozil recebeu na área e finalizou cruzado. Um desvio de Christensen quase resultou no segundo gol do time da casa.

 

Twitter: Ben STANSALL / AFP

 

O Arsenal seguiu melhor na volta para o segundo tempo e chegou à virada, novamente contando com a infelicidade rival. Aos 14 minutos, Lacazette recebeu na área pela direita e tocou para trás. Mas a bola desviou em Rüdiger no meio do caminho e sobrou limpa para Xhaka, que esticou a perna para marcar o segundo.

O Chelsea já não encontrava forças para reagir e sentia falta de um atacante de referência para incomodar a defesa rival. Dono do jogo, o Arsenal administrou a posse e ainda assustou nos minutos finais. Aos 31, em rápido contra-ataque, Ozil deixou Iwobi em ótimas condições, mas Caballero fez grande defesa.

 

publicidade


Veja também