06
out

O primeiro desafio do novo secretário da SDS

06 / out
Publicado por Raphael Guerra às 21:32

Novo secretário da SDS, Angelo Gioia assume cargo nesta sexta-feira (07). Foto: JC Imagem/Arquivo
Novo secretário da SDS, Angelo Gioia assume cargo nesta sexta-feira (07). Foto: JC Imagem/Arquivo

A chegada do delegado federal aposentado Angelo Fernandes Gioia para assumir a Secretaria de Defesa Social, a partir desta sexta-feira (07), vem cercada de expectativa para mudanças nos rumos do programa de segurança pública Pacto pela Vida. Com resultados negativos desde maio de 2014, são esperados agora novos projetos para “oxigenar” a área e garantir a volta da redução da violência em Pernambuco. Para isso, o Governo do Estado já repassou ao novo secretário o primeiro desafio: abrir um diálogo com os gestores das polícias Civil e Militar e também com os líderes das associações e sindicatos das categorias.

Alessandro Carvalho, que deixou oficialmente a SDS nesta quinta-feira (6), vinha sendo alvo de inúmeras críticas pela falta de diálogo e pelo descontentamento dos sindicatos e associações quanto aos rumos que o Pacto pela Vida vinha tomando – exigindo cada vez mais resultados positivos dos profissionais, mas dando pouco retorno em relação às condições de trabalho e a benefícios solicitados por eles. É claro que a crise econômica pesou, mas o sentimento das associações de policiais civis e de delegados, por exemplo, é de que Carvalho se isolou e não estava mais disposto a ouvir as reivindicações dos profissionais de segurança.

O desconforto e a falta de motivação de policiais civis, militares e delegados resultaram na queda do rendimento deles e posterior decadência do programa Pacto pela Vida. E nos últimos meses isso ficou muito claro ao governador Paulo Câmara e seus assessores. Nos bastidores do Palácio do Campo das Princesas já circulava, há meses, a informação de que o governador procurava um novo nome para assumir a SDS e trazer um novo “gás”.

A confirmação foi comemorada pela Associação dos Delegados de Polícia de Pernambuco (Adeppe). “A Polícia Civil está esfacelada, sem estrutura, sem ânimo e ainda  com inúmeros cargos comissionados e funções gratificadas que, junto com o PJES, constituem o grande entrave ao combate à violência. (…) Esperamos que o diálogo seja a tônica dessa nova gestão, para que a comunidade policial, em consonância com a direção governamental, possa abreviar o sofrimento da população que clama fervorosamente por segurança”, informou nota oficial da associação.

Se a escolha de Gioia foi certa, só o tempo irá dizer. Mas Câmara pontou ao novo gestor que a primeira meta dele será mesmo a reabertura do diálogo com todas as categorias policiais.

Novo Pacto

A ideia do Governo do Estado é manter o Pacto pela Vida. Mas, até o final do ano, o novo secretário será cobrado por projetos ousados e criativos para que 2017 seja um ano de queda nos índices da violência.

Primeiro pronunciamento

O novo secretário irá se pronunciar oficialmente nesta sexta-feira (07). Ele fará coletiva à imprensa, a partir das 13h, na Secretaria de Planejamento, onde acontece as reuniões semanais do Pacto pela Vida. Nesta quinta, ele encaminhou nota oficial a respeito de uma polêmica que circulou nas redes sociais sobre um processo criminal que respondeu por acusações de coação e abuso de autoridade. Confira a nota oficial:

“Quando assumi a Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro, em 2008, a unidade se encontrava em dificuldades operacionais e de produtividade. Quando deixei a função, em 2011, a superintendência se encontrava em situação invejável de produtividade frente às demais unidades, reconhecido pelo então corregedor geral da Polícia Federal. Faço essa observação para dizer que as acusações de ‘abuso de poder, denunciação caluniosa e coação no curso do processo’, decorrem exatamente desse trabalho para corrigir os problemas crônicos que existiam na Superintendência do Rio de Janeiro. Essa atuação me trouxe adversários, foram abertos processos contra mim e de todos fui absolvido, inclusive com decisões de segunda instância pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região.”


Veja também