Blog do Torcedor - Tudo sobre o futebol do Brasil e do mundo, basquete, NFL e todos os esportes
Torcedor

As notícias de Náutico, Santa Cruz e Sport, futebol nacional e internacional. Basquete, NFL, Fórmula 1 e todos os esportes Com análise, interatividade e opinião

Ídolo e peça importante de uma conquista histórica, Kuki comemora 20 anos de sua chegada ao Náutico

Blog do Torcedor Blog do Torcedor
Blog do Torcedor
Blog do Torcedor
Publicado em 04/01/2021 às 14:51
Kuki é um dos maiores da história do Náutico. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Kuki é um dos maiores da história do Náutico. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Leitura:

POR CAROLINA FONSÊCA - 

Há 20 anos, chegava ao Clube Náutico Capibaribe um atacante de 29 anos e 1,67m, anunciado em um "pacote" de oito jogadores. Silvio Luiz Borba da Silva, o Kuki desembarcava nos Aflitos como uma das principais esperanças de gols para a temporada de 2001, afinal, havia marcado 49 vezes pelo Brusque, clube que defendeu no ano 2000. Mais que esperança de gols, ele se tornou uma certeza para o torcedor alvirrubro. Nesta segunda-feira (4), Kuki completa duas décadas de história com o Náutico, onde atualmente exerce a função de auxiliar técnico e coleciona títulos, guarda boas lembranças e vislumbra um futuro importante para o clube da Rosa e Silva.

Carinho é uma via de mão dupla para Kuki e a torcida alvirrubra e ele percebeu isso cedo. Levou cerca de seis meses para entender e reconhecer sua identificação com o clube. "Quando as coisas foram tomando forma, assim, dois meses após a chegada, como a gente não conhecia muito, foi procurando saber toda a história do clube. Já conhecemos a paixão da torcida nos primeiros dias de treinamento. Sempre deixei claro a minha paixão pelo clube [...] desde seis meses após a minha chegada", lembrou. "As pessoas queriam conhecer aquele grupo de jogadores novos, que chegavam para representar o Náutico. Então a gente já via nos treinos o carinho dos torcedores", acrescentou.

Kuki no início de sua trajetória no Náutico. Foto: Arquivo Pessoal

O início da relação teve muito carinho e apoio da torcida, mas também trabalho árduo que, para Kuki, é a combinação certa para fazer as coisas ocorrerem "com naturalidade". "A dedicação sempre foi a mesma e, quando o pessoal vê, quando você vem de fora e veem sua dedicação, de coração, eles te abraçam e as coisas acontecem a seu favor, tendem a ocorrer com naturalidade e foi assim que aconteceu", contou.

É também com gratidão que Kuki completa suas duas décadas como parte da história alvirrubra. "Agradeço a Deus por esses 20 anos aqui, de total dedicação, além de ter me tornado torcedor do clube. Kuki não seria Kuki sem a ajuda dos companheiros, sozinho não chegaria a lugar nenhum. É uma honra fazer parte do Clube Náutico Capibaribe, desses 20 anos, ser parte da história do clube. Tenho um carinho imenso pelo torcedor, pelas pessoas que fizeram e fazem o Náutico, sempre torcendo pelo crescimento do nosso clube".

>> Relembre, na voz de Adilson Couto, vitória do Náutico com três gols de Kuki contra o Sport

>> Homenagem a Kuki na reabertura dos Aflitos é de festa para o Náutico

Campeão, artilheiro e ídolo

O Náutico precisava se reerguer e viu a contratação do grupo surtir efeito. Em 2001, sagrou-se campeão pernambucano, no ano do centenário do Timbu, com Kuki artilheiro, balançando as redes 14 vezes. Na mesma temporada, chegou ao terceiro lugar da Copa do Nordeste, que também teve Kuki como artilheiro daquela edição, marcando 12 gols.

Kuki é um dos maiores da história do Náutico. Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Entre as lembranças marcantes do artilheiro, o ano de 2001 se destaca. "Acho que a nossa afirmação, o título do Pernambucano de 2001, as coisas que a gente viveu ali, jamais grupos que estão aqui no Náutico e por vir vão ter a mesma sensação. A gente chegou aqui e o clube não tinha nada, a estrutura era zero. E hoje, mesmo na maior crise que tiver, tem CT para treinar, tem quatro campos à disposição, tem hotel e, na nossa época, não tinha nada disso. Não é ser saudosista e nem desmerecer ninguém, mas o que a gente viveu, dificilmente... as pessoas não tem noção exata do que foi aquele ano de 2001", disse.

Com o alvirrubro, o atacante conquistou ainda os Campeonatos Pernambucanos de 2002 e 2004 e foi artilheiro das edições de 2003, com 16 gols e de 2005, com 17 gols.

Kuki esteve presente em grandes momentos da história recente do Náutico. Foto: Márcia Mendes/Acervo JC Imagem

Entre as lembranças marcantes do artilheiro, o ano de 2001 se destaca. "Acho que a nossa afirmação, o título do Pernambucano de 2001, as coisas que a gente viveu ali, jamais grupos que estão aqui no Náutico e por vir vão ter a mesma sensação. A gente chegou aqui e o clube não tinha nada, a estrutura era zero. E hoje, mesmo na maior crise que tiver, tem CT para treinar, tem quatro campos à disposição, tem hotel e, na nossa época, não tinha nada disso. Não é ser saudosista e nem desmerecer ninguém, mas o que a gente viveu, dificilmente... as pessoas não tem noção exata do que foi aquele ano de 2001", disse.

Com o alvirrubro, o atacante conquistou ainda os Campeonatos Pernambucanos de 2002 e 2004 e foi artilheiro das edições de 2003, com 16 gols e de 2005, com 17 gols.

"Fizemos uma grande campanha da Copa do Nordeste, nos sagramos campeões do centenário, único clube do Estado que conseguiu isso. Para aquele grupo de jogadores totalmente desconhecidos, com duas ou três peças conhecidas pelo público pernambucano - o Vital, o Marcelo Passos, Sangaletti e o Wallace - mas os restantes eram desconhecidos, procurando seu lugar ao sol para encontrar seu eldorado, como sempre, com dedicação e ajuda dos companheiros", recordou.

Kuki fez história no Náutico. Foto: Arquivo / JC Imagem

Kuki fez 387 partidas pelo Náutico e marcou 184 gols. Despediu-se da carreira de jogador em 5 de dezembro de 2009, vestindo a camisa alvirrubra, em uma partida contra o Avaí, pela última rodada da Série A do Brasileirão. Na ocasião, o Timbu, já rebaixado, perdeu por 1 x 0 para o time de Florianópolis.

Alguns anos após sua aposentadoria, Kuki foi devidamente homenageado pelo Náutico. Na partida que marcou "a volta pra casa" da equipe alvirrubra - que retornava aos Aflitos depois de cerca de cinco anos mandado jogos na Arena de Pernambuco. O ídolo teve sua partida de despedida, com clima festivo, estádio cheio, gols e festa. A partida aconteceu no dia 12 de dezembro de 2018. O Náutico recebeu o Newell's Old Boys para um amistoso, que terminou vitória por 3 a 2 para o Timbu, que tinha Muricy Ramalho comandando o time à beira do gramado. Kuki chorou ao pisar em campo, foi ovacionado pela torcida e marcou dois gols no jogo.

>> Muricy e Kuki: um reencontro para lá de especial

>> Ouça o primeiro gol marcado pelo Náutico na volta aos Aflitos

De olho no futuro

Auxiliar-técnico do Náutico desde 2010, Kuki pensa no futebol alvirrubro de maneira macro. Atualmente ele também estuda, está cursando a faculdade de fisioterapia. "Eu tenho sonhos muito grandes. Estou fazendo faculdade, estudando fisioterapia, e tenho o sonho muito grande de ver o Náutico como uma grande potência do futebol do Nordeste e do Brasil na formação de jogadores e tudo isso passa pela base, com valorização da base. Porque temos tudo aqui, estrutura e falta só o investimento maior para que o Náutico possa se tornar um celeiro de grandes jogadores. É o meu sonho para o futuro", revelou.

VEJA MAIS CONTEÚDO SOBRE O NÁUTICO

Últimas notícias