Blog do Torcedor - Tudo sobre o futebol em Pernambuco, do Nordeste, Brasil e do mundo
Torcedor

As notícias de Náutico, Santa Cruz e Sport, além do futebol nacional e internacional. Com análise, interatividade e opinião

Documentário lançado neste terça-feira mostra trajetória de Pelé

Marcos Leandro
Marcos Leandro
Publicado em 23/02/2021 às 17:05
Pelé se tornou o único jogador a conquistar três Copas do Mundo. Foto: Acervo/CBF
Pelé se tornou o único jogador a conquistar três Copas do Mundo. Foto: Acervo/CBF
Leitura:

AGÊNCIA BRASIL

Um novo filme sobre Pelé é o mais recente lançamento de uma série de documentários que tem sido descrita como a era de ouro de filmes sobre esportes.

Documentários sobre o jogador de basquete norte-americano Michael Jordan, o jogador de futebol argentino Diego Maradona e o piloto brasileiro de Fórmula 1 Ayrton Senna estão encantando fãs com suas visões de bastidores da atuação e da personalidade dos grandes astros esportivos.

"Pelé", lançado nesta terça-feira (23) na Netflix, almeja dar o mesmo tratamento a um homem que é sinônimo de Brasil no mundo todo. "Acho que pensávamos que ele era um cara do qual todos, inclusive os torcedores de futebol, tinham um conhecimento bastante superficial", disse o codiretor Ben Nicholas à Reuters. "Mas realmente queríamos explicar como este garoto se tornou o personagem mítico que ele se tornou".

LEIA MAIS

> Aos 80 anos, Pelé segue como maior referência no futebol mundial

> Pelé 80 anos: curiosidades que você (talvez) não sabia sobre o rei

> Casamento de Pelé com Assíria parou o Recife em 1994

O filme se concentra no período entre 1958 e 1970, quando o Brasil conquistou três das cinco Copas do Mundo que possui e se estabeleceu como o país do futebol. Fora de campo, os dias de glória do final dos anos 1950, quando a produção cultural única do Brasil tomou o mundo de assalto, deu lugar a tempos sombrios na esteira do golpe militar de 1964.

O foco principal está no papel de Pelé nos triunfos dos três Mundiais, e particularmente na Copa de 1970, quando ele levou o que se considera um dos maiores times de futebol de todos os tempos à vitória no México.

Pelé e a mágica seleção de 1970, que goleou a Itália por 4x1 na final da Copa. Foto: Acervo Estadão Conteúdo.

O êxito, disseram os diretores, foi vital para a criação do mito Pelé. Depois de estrear na Copa do Mundo de 1958 com 17 anos, Pelé se machucou no segundo jogo de 1962 e só desempenhou um papel pequeno. Ele voltou a se machucar depois de sofrer faltas persistentes no torneio de 1966 na Inglaterra e ameaçou jamais disputar outra Copa, mas mudou de ideia, decidindo que levar a seleção brasileira à conquista do título em 1970 o consolidaria como uma lenda.

"Se Pelé e o Brasil não vencem em 1970, ele não se torna Pelé e o Brasil não se torna realmente o Brasil", disse o codiretor David Tryhorn. "Este é o selo de qualidade da identidade de Pelé e da identidade do país".

O filme de 108 minutos evita comparações com Maradona, Lionel Messi ou Cristiano Ronaldo, três jogadores citados com frequência como rivais de Pelé pelo título de maior jogador da história.

Ao invés disso, a homenagem se concentra na condição de desbravador de Pelé. "Sei que houve grandes jogadores antes dele, mas ele foi o verdadeiro pioneiro, ele foi o Elvis, foi o Neil Armstrong", disse Tryhorn.

Últimas notícias