Blog do Torcedor - Tudo sobre o futebol em Pernambuco, do Nordeste, Brasil e do mundo
Torcedor

As notícias de Náutico, Santa Cruz e Sport, além do futebol nacional e internacional. Com análise, interatividade e opinião

Náutico x Sport: Hélio busca tetra do Pernambucano, enquanto Louzer quer primeira taça no Estado

Lucas Holanda
Lucas Holanda
Publicado em 16/05/2021 às 9:04
Quem será o campeão pernambucano? Fotos: Tiago Caldas/ Náutico e Bobby Fabisak/ JC Imagem
Quem será o campeão pernambucano? Fotos: Tiago Caldas/ Náutico e Bobby Fabisak/ JC Imagem
Leitura:

Um duelo de gerações à beira do gramado na final entre Náutico e Sport. De um lado, o técnico Hélio dos Anjos, 63 anos, coleciona estaduais e títulos ao longo dos anos. Por outro, o comandante Umberto Louzer, que tem menos de cinco anos de carreira profissional, quer manter a sua ascensão que o fez ser denominado um dos nomes promissores da nova geração de técnicos do futebol brasileiro. Com estilos e conceitos distintos, os treinadores chegaram na final com méritos e agora buscam a taça do Campeonato Pernambucano.

LEIA MAIS

> Náutico e Sport iniciam disputa histórica pelo título do Pernambucano

> Técnico do Sport destaca importância do primeiro jogo da final do Pernambucano

> Antes da final, técnico do Náutico cita aspectos do Sport que lhe ‘chamam atenção’

Um troféu, aliás, que será muito importante para qualquer um dos dois. Se Hélio for campeão, é tetra do Estadual e sobe no ranking dos técnicos campeões em Pernambuco. Por outro lado, caso Louzer seja o vencedor, marca seu nome na história do Sport e do Estadual sendo campeão com apenas cinco jogos no comando.

HÉLIO DOS ANJOS

A conquista do Estadual 2021 seria a quarta de Hélio dos Anjos em Pernambuco, o que faria com que o treinador chegasse no pódio dos comandantes com mais taças da competição. Na primeira posição, Palmeira e Duque estão empatados com sete troféus; já em segundo está Givanildo Oliveira, que venceu o torneio cinco por vezes; fechando o pódio, Ilo Just conquistou quatro taças e pode ganhar a companhia de Hélio caso o comandante levante o título de 2021.

Os três Pernambucanos vencidos pelo treinador foram no Sport, adversário da final. Com o Rubro-Negro, o comandante triunfou em 1996, 1997 e 2003. Agora, no Timbu, pode ser tetra e marcar de vez o seu nome na história alvirrubra, sendo ainda o treinador que pode ter acabado com um jejum de mais de 53 anos do Náutico sem bater o Rubro-Negro numa decisão. A última foi em 1968, quando o Timbu sagrou-se hexacampeão.

E uma coisa anima o torcedor alvirrubro para essa decisão: o histórico de Hélio dos Anjos nos estaduais. Nas últimas três decisões em que disputou, o técnico foi campeão em todas. Levantou taças com o Goiás em 2015 e 2018, além de ter erguido o troféu com o Paysandu em 2020. Importante ressaltar que Hélio estava na Arábia Saudita em 2016 e 2017, o que fez o treinador não jogar estaduais. O mesmo vale para 2019, ano em que ele estava sem clube.

A última final perdida por Hélio dos Anjos, aliás, foi justamente no futebol pernambucano. Em 2011, quando treinava o Sport, o treinador ficou com o vice após o Rubro-Negro ser derrotado pelo Santa Cruz na decisão. Ou seja, num recorte de dez anos, o comandante venceu três estaduais e perdeu. Agora, no Náutico, vai para a sua quinta final desde 2011 e busca este título para lá de importante. No total, em mais de 30 anos de carreira, Hélio dos Anjos conquistou 11 campeonatos estaduais. Três em Pernambuco, um na Bahia, dois no Pará e cinco em Goiás. Além disso, o treinador levou a Série B de 1999, quando na época comandava o Goiás.

Apesar de ter uma grande identificação com o Náutico e estar na sua terceira passagem no Alvirrubro, Hélio dos Anjos nunca ganhou nenhum título com o clube. Na sua primeira passagem, em 1993, assumiu o time durante a Série A. Já em 2006 pegou a equipe na reta final da Série B, sendo peça responsável pelo acesso alvirrubro. Por último, foi contratado em 2020 para livrar o Náutico da queda para a Série C, e atingiu esse objetivo com duas rodadas de antecedência.

Na primeira fase do Pernambucano, o Timbu foi líder absoluto, tendo conquistado 22 pontos, sete vitórias, um empate e apenas uma derrota - contra o Sport. Na semifinal, o Náutico confirmou o favoritismo e bateu o Santa Cruz por 2x1, quebrando um tabu de mais de 11 anos sem eliminar um rival num mata-mata. Agora, diante do Rubro-Negro, a equipe vermelha e branca vai em busca dessa taça para pôr fim a mais um tabu e levar este título para os Aflitos.

LOUZER

Se por um lado Hélio dos Anjos tem mais de 30 anos de carreira e coleciona estaduais, Umberto Louzer é um técnico da nova geração e, naturalmente, ainda tem poucas conquistas. No entanto, apesar de estar no seu quarto ano de carreira, o comandante leonino quer marcar seu nome não apenas na história do Sport, mas também do Pernambucano. Para isso acontecer, aposta no bom desempenho que teve nesses anos, tendo conquistado três títulos.

A primeira taça que ele ergueu foi a de campeão da Série A2 do Campeonato Paulista. Comandando o Guarani, em 2018, o treinador colocou o Bugre na elite do futebol de São Paulo e ainda levou uma taça. Dois anos depois, em 2020, Louzer voltou a erguer um troféus. No comando da Chapecoense, o técnico ganhou o Campeonato Catarinense, o seu primeiro Estadual da divisão de principal. Após esse título, a boa fase da equipe de Louzer continuou e foi a vez de levantar a taça da Série B, sendo campeão de maneira emocionante na última rodada.

Diferentemente de Hélio, que já passou várias vezes em Pernambuco, Umberto Louzer está na sua primeira passagem aqui no Estado. Chegou para assumir um Sport afundado numa crise após os vexames na Copa do Brasil e Copa do Nordeste que culminaram na demissão do técnico Jair Ventura. Em três jogos no comando do Rubro-Negro, a sua equipe venceu todos os duelos: Retrô, Náutico e Salgueiro. No embate contra o Alvirrubro, aliás, o time teve uma grande performance. No entanto, oscilou contra o Carcará e Fênix.

Um ponto interessante é que Louzer pode ser campeão pernambucano tendo disputado apenas cinco jogos no comando do time: dois da primeira fase e três do mata-mata. Se erguer o torneio, o técnico conquistará o seu segundo título estadual da primeira divisão, o que também será o segundo consecutivo. Além disso, se ganhar o campeonato com o Sport, manterá a escrita do Rubro-Negro em levar a melhor sobre o Náutico em finais, mantendo o tabu de mais de 53 anos.

Umberto Louzer e Hélio dos Anjos, aliás, se enfrentaram apenas duas vezes. Na primeira ocasião, na Série B do ano passado, o duelo entre Chapecoense e Náutico ficou no 0x0, com o Timbu tendo boas chances para ganhar. No outro embate entre os treinadores, na primeira fase do Pernambucano, Louzer levou a melhor e o Sport goleou o Alvirrubro por 3x0. Agora, na grande decisão, dois confrontos vão decidir quem se sai melhor nesses duelos e o campeão estadual de 2021.

TÉCNICOS COM MAIS TÍTULOS EM PERNAMBUCO:

Palmeira: 7 títulos. Campeão com o Santa Cruz em 1946 e 1947, com o Náutico em 1950, 1951 e 1952, e com o Sport em 1961 e 1962

Duque: 7 títulos. Campeão com o Náutico em 1964, 1966, 1967 e 1968, com o Santa Cruz em 1970 e 1971, e com o Sport em 1975

Givanildo Oliveira: 5 títulos. Campeão com o Sport em 1991, 1992, 1994 e 2010, e com o Santa Cruz em 2005

Ilo Just: 4 títulos. Campeão com o Santa Cruz em 1931, 1932, 1933 e 1935

Hélio dos Anjos: 3 títulos. Campeão com o Sport em 1996, 1997 e 2003

Joaquim Loureiro: 3 títulos. Campeão com o Náutico em 1934 e com o Tramways em 1936 e 1937

Valentim Navamuel: 3 títulos. Campeão com o Sport em 1938, 1942 e 1943

Gentil Cardoso: 3 títulos. Campeão com o Sport em 1955, com o Santa Cruz em 1959 e com o Náutico em 1960

Ênio Andrade: 3 títulos. Campeão com o Santa Cruz 1976, com o Sport em 1977, e com o Náutico em 1984

Zé Teodoro: Campeão com o Náutico em 2004 e com o Santa Cruz em 2011 e 2012

* A reportagem listou apenas os técnicos que têm três ou mais títulos

** O critério usado na lista é ter sido o técnico campeão no último jogo.

Fonte: Livro Reis do Futebol em Pernambuco, de Carlos Celso Cordeiro, Lucídio José de Oliveira e Roberto Vieira

 

VEJA MAIS CONTEÚDO SOBRE O SPORT

Últimas notícias