20
out

Sergipe Redentores: saiba tudo sobre o mais novo time de Aracaju

20 / out
Publicado por Haim Ferreira às 22:34

O futebol americano nordestino acaba de ganhar mais um representante. Da junção de Sergipe Bravos e Aracaju Imortais, surge o Sergipe Redentores. A criação do novo clube chega em um momento de crise do futebol americano no Estado. Nesta temporada, Bravos e Imortais ficaram na lanterna de ambas as divisões (principal e de acesso) da Superliga Nordeste.

LEIA TAMBÉM:
Entenda os motivos que levaram o Sergipe Bravos a fracassar na Superliga Nordeste 2015
Confira a tabela e a classificação da Superliga Nordeste 2015
Salve Pernambuco, salve Recife Pirates e Recife Mariners

A solução para sair do fundo do poço foi retomar uma antiga parceria. É que o Imortais, fundado em 2013, surgiu após um rompimento de ex-atletas e gestores do Bravos, que já estava em atividade desde 2008. A quebra, no entanto, não fez bem a nenhuma das equipes e a melhor saída encontrada foi o retorno do antigo elo.

“Eu pensei que seria mais complicado lidar com os ânimos, mas já percebo que todos estão focados e animados com o novo projeto”, afirmou o presidente do clube, Flávio Feitosa.

Clube pretrende mandar os jogos de maior apelação para o Batistão. Foto: Reprodução da Internet
Clube pretende mandar os jogos de maior apelação para o Batistão. Foto: Reprodução da Internet

Já o head coach Danilo de Campos manteve o otimismo desde o primeiro momento. De acordo com o treinador, esta ideia já vinha sendo cogitada havia muito tempo, mas só pode sair do papel neste ano.

Eu cansei de estar em um time mediano. Quando acabou o nosso jogo, liguei pra Ítalo (presidente do Imortais) e propus a ideia de juntarmos a equipe e entrarmos com tudo no próximo ano. Ele topou na hora.

Danilo de Campos, head coach do Sergipe Redentores

Confira abaixo todos os detalhes de bastidores sobre o surgimento do Sergipe Redentores:

Haverá uma mesclagem na gestão do Sergipe Redentores. A presidência será assumida por Flávio Feitosa, que já foi atleta tanto do Bravos quanto do Imortais. Já a vice-presidência será composta por duas pessoas: Danilo de Campos (ex- presidente do Bravos) e Ítalo Novac (ex-presidente do Imortais).

Quanto à diretoria, haverão quatro pessoas no seu comando – três do Bravos e um do Imortais. São eles: Niria Simões Diretora (esportivo), Fernando Ferreira (jurícido), Euclides Andrade (financeiro) e Luiz Marcelo (marketing).

 

Assim como na gestão, também haverá uma mistura das duas antigas equipes. A base será formada massivamente pela antiga comissão técnica do Bravos. Serão eles: Danilo de Campos (head coach e coordenador ofensivo), Italo Novac (auxiliar ofensivo), João Elias Auxiliar (coordenador defensivo) Victor Cruz (auxiliar de defesa), Mauro Matos (coordenador de special team) e Denisson Pretto (auxiliar).

 

Como ambas as equipes tinham um elenco reduzido, também haverá uma junção dos dois grupos. Caso o Sergipe Redentores precisasse entrar em campo hoje, o head coach Danilo de Campos teria um plantel de 58 atletas. Por questões de experiência, a base do time, à princípio, será formada por jogadores que atuaram pelo Bravos na Superliga Nordeste deste ano.

A inserção de talentos específicos do Imortais será a cereja no bolo da nova equipe sergipana. Além disso, o clube abrirá vaga para a chegada de novos atletas ainda neste ano. Dia 5 de dezembro haverá o primeiro try-out do clube, na qual a previsão é admitir de mais de 40 pessoas, chegando a um número superior à 100 atletas no elenco.

 

A tendência é que o Redentores mande os seus jogos no estádio João Hora Filho, no bairro de Siqueira Campos. A expectativa dos gestores da equipe, no entanto, é que quando aconteçam grandes jogos, as partidas passem para o maior campo de Aracaju, o Batistão. Esse, por sinal, é um dos pontos chaves do planejamento traçado pela cúpula do clube. Com um local fixo, a equipe poderá se reaproximar do público da cidade.

É que o Bravos estava jogando no município de Maruim, a cerca de 30 quilômetros da capital, devido a problemas com a Prefeitura de Aracaju, enquanto o Imortais estava em um pequeno clube da própria capital, mas que não tinha estrutura para receber o público.

 

Como Sergipe tem um público fiel no futebol americano, a tendência é que o Estado cresça a sua média de público. Agora, com um local fixo, a equipe poderá aumentar a a quantidade de fãs por jogo que, anos atrás, chegava a ser de 800 por partida. Atualmente, os números não passam de 70 torcedores.

 

Como Bravos e Imortais ficaram na lanterna da Superliga em ambas as divisões (principal e de acesso), ainda não se sabe se a nova equipe já entrará na elite nordestina em 2016. A tendência, no entanto, é que isso aconteça. O motivo para o otimismo é que um caso semelhante já aconteceu em anos anteriores, quando o Dragões do Mar e Cangaceiros, ambos de Fortaleza, se juntaram e criaram o atual Ceará Caçadores.

Na ocasião, a Liga Nordestina de Futebol americano (LINEFA) acatou ao pedido da equipe e eles participaram normalmente da Superliga daquele ano. Quanto às projeções, o clube tem um projeto ousado. Para o próximo ano, o objetivo é se estabelecer estruturalmente e em 2017 participar dos playoffs. Para 2018, o desejo não poderia ser outro: o título da Superliga Nordeste.


Veja também