02
set

Conhecendo o crossfit e calando um velho mito

02 / set
Publicado por Luana Ponsoni às 10:50

Por Luana Ponsoni

Bastou um treino de crossfit para eu perceber que as minhas impressões iniciais sobre a modalidade  não procediam. Foto: Lany Prado/Divulgação

Eu tinha recém-chegado ao JC quando fui pautada para entrevistar um competidor de strongman (torneio com os homens mais fortes do mundo) em um box de crossfit de Piedade, Jaboatão dos Guararapes. Na medida em que fazia as perguntas, espiava o pessoal realizando sucessivos levantamentos de peso. A intensidade e a maneira como eles suavam me impressionou. Aquele tinha sido o meu primeiro contato com a modalidade que, tempos depois, tornou-se febre no Estado. Mas preciso admitir, fiquei assustada.

Pratico atividade física desde os 12 anos. Fui atleta de voleibol por 15. Depois comecei a correr, segui com a musculação e só recentemente passei a praticar jiu-jítsu. Dentro da minha vivência, jamais consegui reproduzir as impressões absorvidas naquele primeiro contato com o crossfit. Isso só reforçava a minha certeza: era um método de treino para poucos.

O jornalismo, por outro lado, empurrava-me com certa frequência para o universo dos boxes. Os relatos positivos se acumulavam. Conheci pessoas com perfis variados que narravam como a modalidade tinha transformado as suas vidas. Mas, lá no fundo, eu não esquecia do treino absurdo que eu havia presenciado.

Então, decidi me colocar à prova. Fui recebida com muito carinho pela coach Bruna Andreolli e por Patrícia Figueiredo, sua estagiária, no Santé Crossfit. Na primeira aula, o mito caiu. Percebi que é dinâmico, divertido, desafiador. E o mais importante: a alta intensidade é algo relativo. Cada um tem o seu nível.

Bruna Andreolli é coach de crossfit e diz que o segredo é aprender a técnica dos movimentos antes de buscar a velocidade de execução com cargas maiores. Foto: Lany Prado/Divulgação

Para quem ainda não consegue entender bem do que se trata o crossfit, basta imaginar treinos com séries de exercícios que envolvem movimentos de ginástica, levantamento olímpico e exercícios aeróbicos, como remo, corrida e pular corda.

Alguns, de fato, têm um nível alto de dificuldade. E é por isso que quem já está acostumado a trabalhar com muita carga na musculação não pode querer reproduzir essa rotina nos primeiros treinos. Dá um pouquinho de frustração. Mas é preciso colocar na cabeça que “a técnica vem antes da velocidade”, palavras da coach Bruna.

Se machuca? Como qualquer esporte. Para evitar lesões, seguir as instruções dos coaches é essencial. Depois é só desfrutar dos benefícios. E se preparar para ser tomado por uma espécie de vício. No bom sentido, claro! Como tudo que está atrelado aos exercícios de uma maneira geral.

O crossfit mistura elementos de ginástica, levantamento olímpico e exercícios aeróbicos. O resultado é essa energia boa aí. Foto: Lany Prado/Divulgação

 


Veja também