26
nov

Cuidado com a obsessão pela dieta perfeita

26 / nov
Publicado por Gabriela Máxima às 16:35

Foto:Divulgação

É incontestável que alimentação saudável só traz benefícios para a saúde, no entanto, exagerar nos cuidados com as refeições pode culminar em uma doença grave: a ortorexia, que configura a obsessão pela dieta perfeita. Em muitos casos, a pessoa está tão concentrada no cardápio da dieta que não abre mão consumir outros ingredientes. Especialistas garantem que o transtorno existe há cerca de duas décadas, mas o assunto ganhou espaço após a moda fitness invadir as redes sociais.

Circuito Corrida Sesi com inscrições abertas

Curso de biomecânica de corrida com Raquel Castanharo no Recife

Mulher vence corrida de 48h e quebra recorde masculino

O nutricionista e personal trainer Wal Paes explica que os profissionais da área deixaram de apenas prescrever acompanhamentos para analisar também a saúde mental das pessoas, os objetivos disfarçados de cada indivíduo. “A preocupação excessiva com o que ingerir regradamente pode resultar em falta de nutrientes, ansiedade e isolamento. Afinal, muitas das situações em que interagimos com amigos e familiares envolvem comida. E esse grupo de ortoréxicos tende a confiar apenas no que produz e leva para almoço ou jantar, de maneira introspectiva e radical”, alerta.

Estudos, aliás, mostram que esse tipo de transtorno existe há cerca de duas décadas, mas só agora com essa onda FIT, que foi impulsionada através das redes sociais, que começou a despertar, de fato, para mais pesquisas sobre a necessidade em cuidado extra nos atendimentos, leia-se psicológico. “A principal característica é a busca incessante pela pureza do que se come, inclusive no âmbito de prevenir e tratar doenças de maneira natural. E como tudo em excesso tende a ser prejudicial, especialmente nesta época que vamos iniciar do Natal e do Réveillon, de comidas saborosas e que são propostas com grupos de amigos da família, da faculdade e do trabalho”, reforça o nutricionista.

GLÚTEN FREE

Wal explica que a moda do “glúten free” é um exemplo do transtorno. “A dieta glúten-free é essencialmente indicada aos indivíduos com doença celíaca ou a chamada sensibilidade não celíaca ao glúten – e só. A mesma coisa com leite e derivados, que virou um terror para muitos e, recentemente, ganhou estudos pontuando que a isenção pode aumentar o risco de diabetes e doenças cardíacas, entre outras complicações desnecessárias por pessoas normais que devem prezar por todos os grupos de alimentos”, finaliza Wal.

 


Veja também