polícia federal

PF prende em Paraty (RJ) ex-oficial argentino acusado de tortura na ditadura

O ex-militar foi responsabilizado por assassinatos de estudantes, sindicalistas e políticos de oposição

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 12/05/2020 às 9:28
Notícia
Foto: Agência Brasil
Desde 2019 o ex-oficial estava foragido, indicou a corporação - FOTO: Foto: Agência Brasil
Leitura:

A Polícia Federal (PF) prendeu na tarde desta segunda-feira, 11, em Paraty, um ex-oficial da Marinha Argentina, de 69 anos, acusado por prática de crimes contra a humanidade e sequestro. Em seu país de origem, o ex-militar é suspeito de fazer parte da equipe de operações do Grupo de Tarefas da Escola Mecânica Armada da Marinha Argentina (ESMA) e foi responsabilizado por assassinatos de estudantes, sindicalistas e políticos de oposição, cujos corpos teriam sido jogados ao mar nos chamados "voos da morte".

O Pedido de Prisão Preventiva para fins de Extradição foi formulado pela representação nacional da Interpol com base nas informações incluídas pelas autoridades argentinas na lista de Difusão Vermelha da organização.

A autorização da extradição para a Argentina foi dada em 2019 pelo Supremo Tribunal Federal e no dia 29 de janeiro, o ministro Luiz Fux, vice-presidente da Corte Suprema, determinou a expedição do mandado de prisão para fins de extradição que foi cumprido nesta segunda.

Segundo a PF, o acusado já havia sido preso preventivamente para fins de extradição, em 2013, em Angra dos Reis, cidade próxima a Paraty, mas em 2016 foi posto em prisão domiciliar por uma decisão judicial. Desde a decisão dada pelo Supremo no ano passado o ex-oficial estava foragido, indicou a corporação.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Comentários

Últimas notícias