SALVADOR

'Pais estão acabados', dizem padrinhos de mulher suspeita de matar namorado na Bahia

As mortes de Elton Gonçalves Campelo, 35 anos, e Isabela Araújo Valença, 33, deixaram os familiares de ambos chocados. A principal linha de investigação da polícia é a de que Isabela matou Elton e depois se suicidou

Do Jornal Correio para a Rede Nordeste
Do Jornal Correio para a Rede Nordeste
Publicado em 12/01/2021 às 17:30
Notícia

REPRODUÇÃO
O casal foi encontrado morto nesse domingo (10) - FOTO: REPRODUÇÃO
Leitura:

As mortes de Elton Gonçalves Campelo, 35 anos, e Isabela Araújo Valença, 33, deixaram os familiares de ambos chocados. Os corpos dos dois foram sepultados nesta terça-feira (12), o dele em Salvador, na Bahia, e o dela em Petrolina, no Sertão de Pernambuco.

>> Casal é encontrado morto dentro de apartamento de luxo em Salvador

Os pais de Isabela "estão acabados", segundo relataram os padrinhos da jovem, Celina REis Cavalcanti, 70, e Carlos Cavalcanti, 68, ao Uol. "Nós conversamos com os compadres, eles não conseguem entender. Acho que ninguém vai conseguir entender. É uma dor muito forte. Infelizmente, não tem o que fazer. Agora é só rezar e pedir para que eles sejam acolhidos. Foi uma tragédia para todos", diz Celina. Os padrinhos vivem atualmente nos EUA.

Eles lembram que batizaram Isabela ainda bebê, em Petrolina, cidade natal da jovem. "Ela era recém-nascida, tinha dias. Nós somos amigos da família da avó dela, e a mãe e o pai são nossos melhores amigos. A ficha ainda não caiu", acrescenta Carlos.

Eles descrevem Isabela como "doce, serena, calma". Elton era um bom rapaz, acrescentam. A verdade "morreu com eles", acreditam. "O namoro era bem quisto pelas duas famílias. O pai gostava muito do rapaz. Acredito que o outro lado também gostava dela. Falam em três anos, mas isso começou há mais tempo".

Celina diz que Isabela era reservada, mas tinha muitos amigos. "A casa dela está recheada de amigas, ninguém entende. Nós não entendemos. Nós estamos de longe acabados. Infelizmente, nós não podemos ir (apoiar os familiares) por causa da pandemia. Mas, sinceramente, é algo que não dá para entender. Elton também é filho de pessoas conhecidas, pessoas direitas, honestas. Isso é um grande choque", reafirma.

Ela não via a afilhada há pelo menos dois anos, mas sempre que estava no Brasil era tratada com carinho por Isabela. "Todas as vezes que eu chegava em Petrolina, ela era minha motorista particular, me levava para todos os cantos, me emprestava o carro dela. Era uma pessoa muito prestativa e muito carinhosa comigo, muito amável. Por isso dói tanto", diz.

Celina conta que falou com Isabela pela última vez na época de Natal, quando a afilhada enviou uma mensagem. "Ela me mandou uma foto do casal. Eu pedi que ela marcasse logo o casamento porque eu queria estar presente. Foi uma brincadeira, ela só deu risada e ficou por isso mesmo".

O crime

A principal linha de investigação da polícia é que Isabela matou Elton e depois se suicidou. A arma usada era uma pistola que pertencia a ele, que tinha autorização para portar arma de fogo. O casal passava férias em Salvador - Elton morava em Juazeiro e Isabela em Petrolina.

O crime aconteceu no edifício Terrazzo Imperiale, no Horto, apartamento dos pais de Elton. No momento do crime, ambos estavam em outro cômodo do imóvel.

Enterro

O enterro de Elton estava marcado para acontecer às 11h, mas desde 9h30, já havia uma movimentação intensa de pessoas na Capela C do Jardim da Saudade. A família dele comanda o Curtume Campelo, que já foi símbolo de desenvolvimento na região do Vale do Rio São Francisco. A família pediu que a cerimônia fosse reservada a parentes e amigos, e, por causa disso, a imprensa acompanhou à distância.

O velório se encerrou com meia hora de atraso, por volta das 11h30. Depois, o corpo de Elton foi transportado da capela para o sepultamento. Mesmo com o fim da cerimônia, parentes e amigos do administrador não quiseram comentar o assunto.

Já o corpo de Isabela foi liberado na noite deste terça-feira (11) para Petrolina, para enterro nesta quarta-feira, segundo o Departamento de Polícia Técnica (DPT). O CORREIO vem tentando falar com parente de Isabela, mas sem sucesso.
De acordo com a investigação da polícia, na tarde de domingo, os corpos de Elton e Isabela foram encontrados pelos pais de Elton, a decoradora Elza Campelo e o empresário Gladston Campelo, donos do apartamento, que estavam em outro quarto na hora do crime.

Elton e Isabela foram mortos com tiros na cabeça. O corpo dele foi encontrado em cima da cama da suíte onde o casal estava, enquanto o dela foi achado no banheiro do cômodo. Ao lado dela, estava a arma do crime, uma pistola que pertencia a Elton, que tinha porte de arma.

As circunstâncias reforçam a hipótese da polícia para o crime: um homicídio seguido de suicídio. Segundo a Polícia Civil, o pai do empresário se assustou ao ouvir um barulho de tiro e foi ao quarto do casal, que passava as férias em Salvador.

Elton morava em Juazeiro, na região do Vale São Francisco, onde nasceu. Já Isabela morava em Petrolina, cidade vizinha, em Pernambuco.

Ainda segundo informações preliminares, não houve nenhuma discussão do casal momentos antes do crime. No sábado (8), horas antes do assassinato, Isabela chegou a postar uma foto com o namorado em sua rede social. Os dois namoravam desde 2018.

O motivo do crime ainda é um mistério para polícia e também para os parentes de Elton. “Me perdoe, mas está sendo muito difícil para todos nós. Ninguém tem explicação para o que aconteceu, para nada”, disse emocionada, nesta segunda-feira (11), a prima de Elton, Lívia Campelo.

 

Comentários

Últimas notícias