FALSO

Vídeo de pai desesperado é antigo, foi filmado no Amazonas e não tem relação com vacina

É falso um vídeo que circula no WhatsApp dizendo que "vacinação mata criança na Paraíba" e que as imagens mostram um "pai desesperado ao ver seu filho morto". A gravação foi feita em fevereiro de 2019 em uma maternidade em Manaus, informou a Secretaria de Saúde do Amazonas – ou seja, mais de um ano antes do início da pandemia de covid-19. A Secretaria de Saúde da Paraíba informou que "nenhum efeito adverso grave" decorrente da vacina contra a covid foi registrado no estado

JC
JC
Publicado em 21/01/2022 às 19:51
PROJETO COMPROVA
Vídeo foi sugerido por leitor do Comprova - FOTO: PROJETO COMPROVA
Leitura:

Conteúdo verificado: Vídeo mostra um homem gritando e sendo contido por seguranças em uma sala de espera de hospital. O vídeo contém uma legenda no topo que diz “vacinação mata criança na Paraíba”. Na parte de baixo, há a frase “pai desesperado ao ver seu filho morto”.

É falso o vídeo que alega mostrar um “pai desesperado ao ver seu filho morto” por causa da vacinação contra a covid-19 na Paraíba. As imagens foram feitas em 2019 em uma maternidade no Amazonas. Além disso, nenhuma criança morreu após ter sido vacinada na Paraíba, segundo o governo local.

A maternidade Balbina Mestrinho, em Manaus, confirmou ao Projeto Comprova que o vídeo é de fevereiro de 2019. A Secretaria de Saúde da Paraíba divulgou nota à imprensa dizendo não ser verdadeiro que as imagens tenham sido feitas no estado, “tampouco que tenha sido um efeito da vacina contra covid-19”. O órgão também informou que “nenhum efeito adverso grave em decorrência da vacina foi registrado no estado.”

Para o Comprova, o vídeo é falso porque sofreu edições para mudar o seu significado original e foi divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Como verificamos?

O Comprova recebeu o vídeo por meio do WhatsApp. A equipe começou uma busca para localizar o conteúdo em outras redes sociais e encontrou uma publicação de 2019 no Facebook, citando o caso de uma mulher que teria morrido em uma maternidade em Manaus. Com essa informação, a equipe pesquisou a respeito dessa morte em sites jornalísticos locais e encontrou matérias que contavam a história com imagens do vídeo em questão (1, 2 e 3).

Depois, a equipe entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas, que confirmou que o vídeo foi gravado dentro de uma maternidade de Manaus, em que uma mãe e uma criança morreram após procedimento obstétrico.

A Secretaria Estadual de Saúde da Paraíba também informou à equipe que o caso não ocorreu no estado e que nenhuma morte após a vacinação contra a covid-19 foi registrada no local.

O vídeo

O vídeo recebido pelo Comprova via WhatsApp tem pouco mais de dois minutos de duração e mostra um homem gritando e sendo contido por seguranças em uma sala de espera de um hospital. Apenas pelas imagens, não é possível entender o que motivou a reação do homem, mas as legendas colocadas na gravação (“vacinação mata criança na Paraíba” e “pai desesperado ao ver seu filho morto”) induzem o espectador a acreditar que o caso tem relação com a vacinação contra a covid-19.

Uma busca pelo termo “pai desesperado” na plataforma de monitoramento Crowdtangle trouxe como resultado o mesmo vídeo, mas sem a legenda enganosa e em um post feito por um perfil pessoal em 17 de fevereiro de 2019. A autora do post diz que o vídeo mostra um “acontecimento de ontem na maternidade Balbina Mestrinho. (…) Aqui está um pai, marido desesperado, pois perdeu a sua esposa e o bebê por tamanha negligência médica”.

Notícias de veículos locais

Uma busca no Google mostrou que a maternidade Balbina Mestrinho fica em Manaus e pertence à rede estadual de saúde do Amazonas. Outra busca usando trechos do texto do post do Facebook levou a diversas notícias publicadas pela imprensa local em fevereiro de 2019 que falavam de um caso idêntico ao relatado no post encontrado pela reportagem na rede social. Mais que isso, algumas dessas reportagens continham o vídeo do pai desesperado na sala de espera do hospital.

As notícias também traziam uma resposta dada na época pela Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas que citava a reação do pai após receber a notícia de que a mulher e o bebê haviam morrido.

“No momento em que recebeu a notícia das perdas da mãe e do bebê, o pai da criança ficou transtornado e tentou quebrar a máquina de lanche e outros objetos da recepção da maternidade. Os seguranças foram chamados para conter o pai. O serviço social prestou assistência à família, incluindo locomoção para a resolutividade dos trâmites póstumos”, diz a resposta da secretaria que foi publicada no noticiário local.

O que diz o governo do Amazonas

A Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM) confirmou ao Comprova que o vídeo foi gravado na maternidade Balbina Mestrinho, em Manaus, em fevereiro de 2019. À época, uma mulher grávida de 34 semanas deu entrada no hospital, com risco de parto prematuro. A morte da criança, que gerou a revolta do pai, ocorreu após um deslocamento prematuro de placenta. Posteriormente, a mãe foi internada em uma Unidade de Terapia Intensiva e também morreu.

Sobre o caso, a SES alega que a maternidade “passou por melhorias estruturais para oferecer o melhor acolhimento a grávidas, puérperas e recém-nascidos, assim como também houve investimento na capacitação de todos os profissionais que compõem a equipe multidisciplinar da unidade e dos equipamentos para exames”.

A morte da criança e da mãe não teve qualquer relação com a vacina da covid-19, de acordo com a confirmação da SES.

O que diz o governo da Paraíba

Em comunicado, a Secretaria de Estado da Saude informou que o caso não ocorreu no estado. O órgão afirmou ainda que não foram registrados episódios de efeitos adversos à vacinação contra a covid-19.

“Não é verdadeira a informação de que tenha ocorrido na Paraíba, tampouco que tenha sido um efeito da vacina contra covid-19. Nenhum efeito adverso grave em decorrência da vacina foi registrado no estado”, diz a nota.

Atualmente, o estado aplica a vacina pediátrica da Pfizer em crianças de 5 a 11 anos, de acordo com recomendação do Ministério da Saúde.

Por que investigamos?

O Comprova tem o compromisso de investigar conteúdos suspeitos que tenham relação com a pandemia, políticas públicas do governo federal e eleições. O vídeo foi enviado por um leitor e traz informações enganosas sobre a vacinação destinada ao público infantil.

Publicações como essa podem prejudicar o andamento da campanha de vacinação em curso no país. Todas as vacinas aplicadas atualmente no Brasil têm eficácia e segurança comprovada por órgãos de saúde nacionais e internacionais.

O tema tem sido alvo de constantes ataques por grupos contrários à vacinação. O Comprova já verificou uma publicação enganosa que distorce dado de estudo alemão para criticar a vacinação infantil e mostrou que a morte de um adolescente brasileiro mostrado em vídeo de protesto nos EUA não teve relação com a vacina.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

Texto produzido pelo Comprova, coalizão de veículos de imprensa para verificar conteúdos suspeitos nas redes sociais. Investigado por: UOL, Metrópoles e O Estado de S. Paulo. Verificado por: O Popular, Nexo, CBN Cuiabá e O Dia.

Comentários

Últimas notícias