Amazônia

Maior programa ambiental do Brasil alcança meta de preservação

Apesar de ano difícil, programa ambiental conseguiu atingir meta de preservação de 60 milhões de hectares

AFP
AFP
Publicado em 01/12/2017 às 9:48
Foto: AFP
Apesar de ano difícil, programa ambiental conseguiu atingir meta de preservação de 60 milhões de hectares - FOTO: Foto: AFP
Leitura:

O programa do governo brasileiro Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa), a maior iniciativa de preservação de florestas tropicais do mundo, alcançou sua meta de salvaguardar 60 milhões de hectares (superfície equivalente à da França), anunciou nesta sexta-feira (1º.) o Ministério do Meio Ambiente.

O ministro José Sarney Filho afirmou que a iniciativa, lançada em 2002, permitiu que nestas áreas o desmatamento fosse 2,3 vezes menor do que nas unidades de conservação que não fazem parte do programa.

A meta alcançada equivale a 15% da Amazônia brasileira.

O Arpa teve início em 2002, com financiamento público e privado, visando a proteger 40 milhões de hectares da Amazônia brasileira, uma meta ampliada a 60 milhões em 2014.

O Arpa capta financiamento, entre outros, do Global Environment Facility, do governo alemão, do Fundo Mundial para a Natureza (WWF) e do Fundo Amazônia (administrado pelo BNDES), com o propósito de consolidar um modelo de desenvolvimento sustentável como alternativa à exploração ilegal de recursos.

Neste momento, engloba 117 unidades de conservação, distribuídas nos nove estados da Amazônia brasileira.

Em 2012, foi criado um fundo que deve captar até US$ 215 milhões para garantir seu financiamento.

Para Mauricio Voivodic, diretor-executivo do WWF-Brasil, "o programa Arpa acaba servindo como um buffer no combate de possíveis retrocessos na agenda ambiental", devido a que a captação de recursos internacionais implicou assinar compromissos na área de conservação.

"O governo assumiu esses compromissos e não pode perder o risco de perder os investimentos", disse Voivodic à AFP.

A política ambiental e indígena do presidente Michel Temer (PMDB) tem sido alvo este ano de críticas nacionais e internacionais. O governo se viu obrigado a voltar atrás em casos emblemáticos, como o de um projeto que pretendia abrir à mineração privada um território de 46.450 km2 em plena Amazônia.

A Noruega - que contribui com o Fundo Amazônia - advertiu que os índices de desmatamento poderiam levar a um corte de recursos em programas de proteção ambiental.

'Momento difícil'

"Tentativas de retrocesso houve, trapalhadas também houve, tentativas existem ainda e provavelmente vão continuar existindo, mas são só tentativas", afirmou Sarney Filho em entrevista por telefone à AFP.

Temer fez este ano grandes concessões a grupos de pressão parlamentares para impedir que duas denúncias de corrupção contra ele chegassem ao Supremo Tribunal Federal.

Mas segundo o ministro, a agenda ambiental do governo é "muito boa".

"Nós temos que ficar lutando, temos que resistir nesse momento difícil, um momento sensível em que o Congresso tem uma força muito grande", com bancadas que, "muitas vezes, não compreendem em sua plenitude a necessidade de determinadas ações (...) para conter o desmatamento", afirmou.

Sarney Filho afirma que as críticas recebidas são de índole política e as minimiza com números do Instituto Nacional de Estudos Espaciais (Inpe), que mostram que o desmatamento caiu 16% entre julho de 2016 e agosto deste ano.

O ministro sustenta, ainda, que o desafio é "valorizar a floresta em pé", com propostas como mecanismos financeiros "que compensem a Amazônia pelos serviços que presta". 

Também defende aumentar a cooperação com o setor privado no manejo de parques nacionais. A entrada da iniciativa privada "é um terma aberto", comentou, ressaltando o exemplo do Arpa.

Para Voivodic, do WWF-Brasil, que acredita que o tema ambiental entrará na agenda eleitoral brasileira em 2018, a execução do programa permitiu desenvolver uma "infraestrutura verde" na Amazônia e "isso já é um grande fator que age como protetor independente da vontade política".

Últimas notícias