motim

Batalhão de Choque controla rebelião na Funase do Cabo durante a madrugada

Jovens queimaram colchões, destruíram paredes e vasos sanitários

Lorena Tapavicsky
Lorena Tapavicsky
Publicado em 08/11/2011 às 7:40
Leitura:

Internos da Fundação de Atendimento Socioeducativo - Funase (antiga Fundac) do Cabo de Santo Agostinho promoveram um verdadeiro quebra-quebra na instituição, na noite de segunda-feira (7). Durante o motim, que só foi controlado após a ação do Batalhão de Choque da Polícia Militar, os jovens queimaram colchões, destruíram paredes e vasos sanitários.

Quatro internos, todos já maiores de idade, foram detidos acusados de liderar a rebelião. João de Souza da Silva Neto Júnior (conhecido como Playboy e líder do grupo), de 18 anos; Leonardo de Souza Monteiro Neto, de 19 anos, João Carlos Alves Chapron e Diego de Souza Dias, os dois últimos também de 18 anos, foram levados para a Delegacia do Cabo e irão responder aos crimes de dano ao patrimônio público e formação de quadrilha.

Os quatro jovens cumpriam medida socioeducativa na Funase pela infração de homicídio e relação com o tráfico de drogas. Na época das internações, todos eram menores de idade. Como o tempo de internação pode durar até três anos, os jovens atingiram a maioridade enquanto cumpriam a medida.

De acordo com a polícia, a rebelião desta segunda-feira teve início após a Diretoria da Funase decidir transferir João de Souza da Silva Neto Júnior, o Playboy, de pavilhão. Como o jovem é líder de um grupo dentro da instituição, a decisão acabou provocando revolta nos internos, que começaram o quebra-quebra.

Após controlar a situação, a polícia fez uma busca nos pavilhões e apreendeu várias armas artesanais, a maioria feita com pedaços de cano de ferro, além de três tubos de cola.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias