fiscalização

Lei seca mais rigorosa no litoral

Equipes esticaram horário de trabalho e abordagens acontecem também pela manhã e à tarde até o fim de fevereiro

Betânia Santana
Betânia Santana
Publicado em 18/01/2013 às 5:34
Leitura:

A Operação Lei Seca ganhou reforço em direção às praias do Litoral Norte e Sul. Até o fim de fevereiro a fiscalização acontecerá também pela manhã e à tarde.Barreiras de fiscalização foram montadas no acesso às Praias de Porto de Galinhas e Tamandaré e nas de Itamaracá e Ponta de Pedra.

O plano de trabalho está sendo executado por nove equipes formadas por quatro policiais militares, quatro agentes do Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco (Detran-PE) e três servidores da Secretaria de Saúde. Embora a quantidade de equipes não tenha aumentado, o horário das abordagens é diversificado. Se antes a fiscalização era feita somente à noite e de madrugada, das 23h até as 6h, agora, acontece também pela manhã e à tarde, em pontos que podem ser modificados a depender da estratégia adotada.

“Continuamos com o mesmo número de equipes. Mas elas não estão nas ruas todos os dias da semana e ao mesmo tempo. Nossa estratégia é montada a partir do calendário das prévias carnavalescas na Região Metropolitana e no interior de Pernambuco. Nas Praias do Litoral Sul e Norte, estamos agindo no fim de semana, de sexta a domingo, pela manhã e à tarde, quando a maioria das pessoas viaja”, explica o tenente-coronel André Cavalcanti, coordenador-executivo da Operação Lei Seca em Pernambuco.

Segundo ele, somente vale a pena operar no interior se as abordagens forem realizadas em cidades-polo. “Iremos com certeza a Gravatá, Caruaru, Vitória de Santo Antão, Carpina, Goiana e Ouricuri. A Bezerros, não sabemos ainda. No ano passado, trabalhamos dentro da cidade. Não surtiu efeito.”

Já em municípios como Timbaúba e Trindade, os condutores não saem de casa quando tomam conhecimento da operação. “Claro, isso é um alerta de que muitos estão em situação irregular. Mas, logisticamente, é mais vantajoso operar em cidades maiores do que flagrar condutores de cidades pequenas em trânsito.”

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias