aniversário

Apesar da festa pelos 105 anos de Dom Helder, não há muito o que comemorar

Nos 30 anos das entidades fundadas pelo Dom da Paz, falta verba para manter ações sociais e centro de documentação

Margarida Azevedo
Margarida Azevedo
Publicado em 07/02/2014 às 8:58
 Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Nos 30 anos das entidades fundadas pelo Dom da Paz, falta verba para manter ações sociais e centro de documentação - FOTO: Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Leitura:

Um ano antes de se tornar arcebispo emérito e deixar a Arquidiocese de Olinda e Recife, em 1984, dom Helder Camara criou a entidade Obras de Frei Francisco, atualmente chamado Instituto Dom Helder Camara (Idhec). Responsável por guardar e manter vivo o imenso legado do religioso, a instituição completa três décadas hoje, data que também marca os 105 anos de nascimento do dom, passando por dificuldades.

A Casa de Frei Francisco, ação social do Idhec, que atende crianças e adolescentes das comunidades dos Coelhos e Joana Bezerra, área central do Recife, corre risco de fechar por falta de patrocínio. O rico acervo de documentos, guardados numa pequeno imóvel ao lado da Igreja das Fronteiras, na Boa Vista, onde dom Helder viveu, também sofre com pouco espaço, escassos recursos, mofo e cupins.

Em vez de atender 120 crianças e adolescentes, a Casa de Frei Francisco, nos Coelhos, vai receber 80, a partir de 2ª feira. E restringirá a faixa etária. Antes, ficava lá quem tinha entre 7 e 16 anos. Este ano só os adolescentes de 12 a 16 anos. Todos os dias, eles terão atividades de leitura, informática, orientação profissional e raciocínio lógico.

"O funcionamento da casa está garantido até julho, quando acaba o convênio de R$ 6 mil mensais que recebemos do Conselho Estadual da Criança e do Adolescente. Depois só continuaremos se conseguirmos outras fontes de financiamento", lamenta a coordenadora da casa, Adriana Moreira. A Companhia Hidro-Elétrica do São Francisco (Chesf) foi a principal mantenedora do espaço, de 2005 até este mês. Mas não manterá mais o apoio financeiro. Com a redução de recurso - são necessários cerca de R$ 20 mil por mês - Adriana teve que demitir quatro dos oito funcionários.

Avó de Pedro Henrique, 9 anos, a dona de casa Lúcia Barbosa ressente-se da diminuição da oferta de vagas. "Um neto mais velho, com 16 anos, participou das atividades da Casa de Frei Francisco por oito anos. Aprendeu muito. Era rebelde e tornou-se um menino educado e respeitador. Pedro começou ano passado, mas infelizmente não vai permanecer porque não haverá mais turma para a idade dele", comenta Lúcia, moradora dos Coelhos.

Numa das salas do Centro de Documentação Helder Camara (Cedohc), no Derby, mofo e cupins põem em perigo 15 mil fotografias. "Não há espaço adequado para guardá-las", informa a historiadora Lucy Pina. "É com muita tristeza que vejo a situação desses documentos. A minha geração nasceu quando dom José (Cardoso) era arcebispo e poucos conheceram dom Helder. A memória de uma vida inteira está em risco", ressalta Lucy.

Doações para a Casa de Frei Francisco podem ser depositadas no Banco do Brasil, conta corrente 29242-7, agência 3505-x. Para o Centro de Documentação Helder Camara (Cedohc) e o Idhec, as contribuições podem ser feitas no Banco Itaú, conta corrente 19789-0, agência 3175.

Leia a matéria completa na edição desta sexta-feira(07) do Jornal do Commercio

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias