Patrimônio

Hora de reformar o bem tombado

Morador da Rua 15 de Novembro, em Olinda, é o primeiro beneficiado com verba federal do Iphan Recupera

Marina Barbosa
Marina Barbosa
Publicado em 05/09/2014 às 8:00
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Leitura:

A casa de paredes amarelas e janelas azuis que ocupa o número 183 da Rua 15 de Novembro, no Sítio Histórico de Olinda, começou a ser reformada esta semana. Os contornos originais do imóvel, que mescla características coloniais e ecléticas, serão recuperados até o final do ano. A obra é a primeira de Pernambuco a ser financiada pelo projeto Iphan Recupera, que subsidia a recuperação de prédios privados em áreas históricas sob proteção federal. Outros 26 imóveis tombados foram selecionados pelo programa em Olinda. 

Os beneficiados foram escolhidos por meio de edital depois de apresentarem projeto de reforma que respeita as características originais dos imóveis, que, por serem tombados, não podem ter a estrutura modificada. A seleção teve início em janeiro de 2013 e foi feita pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em parceria com a prefeitura. Dos selecionados, 21 ainda passam pela avaliação técnica e quatro estão em processo de financiamento. Somente o da Rua 15 de Novembro já teve o contrato aprovado.

“Meu projeto estava avançado e não mexe na estrutura do imóvel. Por isso, a análise foi rápida”, acredita o proprietário da casa, Clezed de Souza Santos, 55, que faz questão de manter a originalidade da casa, construída na época colonial e ampliada no início do século 20. “O imóvel precisa de melhorias porque está com infiltrações e rachaduras e as instalações hidráulicas são antigas, mas nenhuma intervenção vai modificar a estrutura atual. Isso é história e é muito bonito, não pode ser perdido”, defende Clezed. Empolgado, ele revela que encontrou os antigos desenhos decorativos da sala quando preparava as paredes para a nova pintura. “E vou preservá-los.” A obra está orçada em R$ 49,8 mil.

Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Casa da Rua 15 de Novembro é a primeira do Estado a ser reformada com recursos do programa federal - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Casa da Rua 15 de Novembro é a primeira do Estado a ser reformada com recursos do programa federal - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Casa da Rua 15 de Novembro é a primeira do Estado a ser reformada com recursos do programa federal - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Casa da Rua 15 de Novembro é a primeira do Estado a ser reformada com recursos do programa federal - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Casa da Rua 15 de Novembro é a primeira do Estado a ser reformada com recursos do programa federal - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Casa da Rua 15 de Novembro é a primeira do Estado a ser reformada com recursos do programa federal - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Casa da Rua 15 de Novembro é a primeira do Estado a ser reformada com recursos do programa federal - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Casa da Rua 15 de Novembro é a primeira do Estado a ser reformada com recursos do programa federal - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Casa da Rua 15 de Novembro é a primeira do Estado a ser reformada com recursos do programa federal - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Casa da Rua 15 de Novembro é a primeira do Estado a ser reformada com recursos do programa federal - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Casa da Rua 15 de Novembro é a primeira do Estado a ser reformada com recursos do programa federal - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Casa da Rua 15 de Novembro é a primeira do Estado a ser reformada com recursos do programa federal - Foto: Edmar Melo/JC Imagem

Os recursos necessários para as 27 reformas foram obtidos pelo Iphan com o Governo Federal, pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) das Cidades Históricas, e podem ser quitados em até 15 anos. “O financiamento não tem juros de capitalização, apenas a correção monetária. Por isso, as parcelas são baixas”, explica José Ricardo de Farias, gerente da Agência do Banco do Nordeste (BNB) em Olinda, responsável pela liberação da verba. “Sem o financiamento, não poderia fazer a obra completa, pois é um serviço caro. Isso é muito importante para preservar a história”, reforça Clezed.

Leia mais na edição impressa desta sexta-feira (5)

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias