Patrimônio

Bosque franciscano aberto ao público em Olinda

Frades do Convento São Francisco, na Cidade Alta, resgataram uma bica do século 16 no quintal do prédio. Visitantes são convidados a conhecer o novo espaço

Cleide Alves
Cleide Alves
Publicado em 19/10/2014 às 8:08
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
FOTO: Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Leitura:

Um bosque com pés de aroeira, coco, goiaba, pitanga, araçá, fruta-pão, cajá, trapiá, caju, manga e jenipapo é a nova atração do Convento São Francisco, na Cidade Alta de Olinda. O sítio, no oitão do histórico refúgio dos frades, sempre esteve ali. Mas só agora os religiosos resolveram estimular as visitas.

A ideia de abrir o quintal ao público surgiu em agosto último, nas férias dos 14 frades estudantes, moradores do convento. Durante o dia, eles trocaram os livros por pás, enxadas e facões, para fazer uma faxina no bosque. Corta mato aqui, tira mato dali e os jovens se depararam com uma raridade: a bica dos franciscanos, há anos escondida na vegetação.

“É uma das cinco bicas que existiam na Cidade Alta e, no passado, servia para o abastecimento humano. Estamos fazendo pesquisas para tentar resgatar essa história”, conta frei Bruno Santana, um dos estudantes (professo temporário, no termo mais adequado). Os religiosos querem saber a data de construção e o uso dado à fonte, se era privativo dos frades ou coletivo.

A construção de tijolos antigos ainda preserva o nicho, onde, imagina-se, ficava uma representação de São Francisco, e parte dos elementos decorativos. “Vamos providenciar exames químicos, físicos e biológicos para avaliar a qualidade da água, oriunda de uma cacimba por trás da bica. Queremos recuperar o acesso à fonte e a utilidade da água para o convento e a população”, declara frei Bruno.

Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Franciscanos abriram trilha no bosque do convento, em Olinda.Visitantes já desfrutam do passeio - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Bosque dos franciscanos, na Cidade Alta de Olinda, tem pés de caju, cajá, goiaba, pitanga e Jenipapo - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Bosque dos franciscanos, na Cidade Alta de Olinda, tem pés de caju, cajá, goiaba, pitanga e Jenipapo - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
A área verde do terreno ocupado pelos franciscanos de Olinda tem mais de 21 mil metros quadrados - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Bica do século 16 no quintal dos franciscanos de Olinda. Frades querem testar a qualidade da água - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Bica do século 16 no quintal dos franciscanos de Olinda. Frades querem testar a qualidade da água - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Visitantes do Convento São Francisco, em Olinda, também passeiam pelo bosque, onde fica a bica - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Construção do século 16, a bica dos frades franciscanos de Olinda precisa de reparos e restauração - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Cacimba d'água que abastece a bica do Convento São Francisco de Olinda, na Cidade Alta - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Visitação pública à bica do convento, na Cidade Alta de Olinda, no Dia de São Francisco (4/10) - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Quintal dos franciscanos, no Sítio Histórico de Olinda, é um convite à contemplação da natureza - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
O Convento São Francisco de Olinda, do século 16, é o mais antigo da ordem religiosa no Brasil - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
O Convento São Francisco de Olinda, do século 16, é o mais antigo da ordem religiosa no Brasil - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
A Capela de Sant'Ana, na entrada do convento franciscano, é decorada com azulejos portugueses - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Azulejos portugueses do convento, com ilustrações sobre a vida de Sant'Ana e de São Francisco - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Azulejos portugueses do convento, com ilustrações sobre a vida de Sant'Ana e de São Francisco - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Quintal dos franciscanos, no Sítio Histórico de Olinda, é um convite à contemplação da natureza - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Quintal dos franciscanos, no Sítio Histórico de Olinda, é um convite à contemplação da natureza - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Área interna do Convento São Francisco. Escadaria conduz visitantes ao primeiro andar do prédio - Foto: Edmar Melo/JC Imagem
Foto: Edmar Melo/JC Imagem
O claustro (pátio interno) do convento franciscano de Olinda, é passagem obrigatória para o bosque - Foto: Edmar Melo/JC Imagem

 

Possivelmente, a bica remonta ao século 16 e é anterior à chegada dos franciscanos a Olinda, diz frei José Milton de Azevedo Coelho, veterano no convento. Segundo ele, documento de 1575 faz referência à fonte do rossio, no local mais tarde ocupado pelo templo dos religiosos. A área pertencia a Dona Maria da Rosa, benfeitora que havia erguido uma casa e uma capela no terreno e doou aos franciscanos, logo após a chegada dos frades ao Brasil, em 1585, conta frei Milton.

No verão de 1976, para economizar a água do prédio, frei Milton e os demais frades tomavam banho de cuia na fonte, que fica na parte baixa do terreno. “Tinha um banheiro ao lado da bica, usávamos só para o banho, pois não sabíamos se a água era poluída”, recorda. O Convento São Francisco de Olinda é o primeiro da ordem franciscana no Brasil.

Os frades querem integrar as visitas ao patrimônio histórico – a edificação é composta da Igreja de Nossa Senhora das Neves, das capelas de Sant’Ana e de São Roque e do claustro – com passeios pelo bosque. “O sítio é um espaço ecológico, um lugar sossegado para a pessoa sentir o vento e o cheiro da natureza, bem de acordo com a filosofia de São Francisco. Falta mais estrutura”, diz frei Bruno.

Vamos providenciar exames químicos, físicos e biológicos para avaliar a qualidade da água, oriunda de uma cacimba por trás da bica

afirma frei Bruno Santana

 

Protetor dos animais, São Francisco de Assis viveu no século 13 e é considerado o padroeiro da ecologia na Igreja Católica, título conferido pelo Papa João Paulo II. No bosque há bem-te-vis, sabiás e guriatãs-de-coqueiro, entre outros bichos. Os religiosos abriram uma pequena trilha até a fonte e pretendem ampliar a vereda.

O projeto de recuperação do sítio também prevê o reflorestamento da área com espécies da Mata Atlântica (substituindo invasoras) e o plantio de frutíferas. O pomar ficaria mais próximo do convento, fornecendo frutas aos frades. Por segurança, as pessoas só descem até o bosque acompanhadas de um dos estudantes, usando sapatos fechados e calça comprida.

Não é cobrada taxa para conhecer o monumento, no alto de uma colina da Cidade Patrimônio Cultural e Natural da Humanidade. Doações são espontâneas e o dinheiro da contribuição dos visitantes é usado na manutenção do prédio – construído no século 16, reconstruído no século 18 e decorado com azulejos portugueses, forros com pinturas sacras, móveis de jacarandá, imagens barrocas – e no projeto de resgate do bosque e da fonte d’água

Últimas notícias