urbanismo

Reforma do Parque do Caiara deveria ter sido concluída há dois anos

Moradores cobram a conclusão das obras, prometidas para serem entregues em dezembro de 2012

Margarida Azevedo
Margarida Azevedo
Publicado em 02/01/2015 às 6:56
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Moradores cobram a conclusão das obras, prometidas para serem entregues em dezembro de 2012 - FOTO: Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Leitura:

bastou o carro da reportagem do JC parar em frente ao Parque do Caiara, no bairro da Iputinga, Zona Oeste do Recife e um morador perguntou logo se o espaço seria inaugurado. Minutos depois, outro chegou reclamando do abandono do lugar. Enquanto a matéria era apurada, em menos de duas horas, mais duas pessoas pararam para falar sobre o local. A cobrança de quem vive nas redondezas é grande. O parque começou a ser reformado em junho de 2011, na gestão de João da Costa, e a promessa era que ficaria pronto em dezembro de 2012. Três anos e meio depois e um novo prefeito, Geraldo Julio, o parque ainda não é realidade, para lamento dos recifenses.

Com 41 mil metros quadrados, o Caiara fica às margens do Rio Capibaribe e tem área privilegiada, repleta de verde, tanto que para a prefeitura é considerado Unidade de Equilíbrio Ambiental. “É muito dinheiro público jogado fora. Não temos espaço de lazer por perto. Precisamos de uma academia da cidade. Queremos ser tratados como cidadãos e ver o Parque do Caiara aberto para a população”, diz Marcus José Silva, 51 anos, morador da Iputinga há 40 anos. “Quando não tinham começado a construção do parque havia espaço para jogarmos bola. Começaram a obra e nada de a gente ter de volta o campo para nossa pelada no fim de semana”, afirma Aluízio Mendes, 35, também residente no bairro.

O parque está sem portão de entrada. A grade que fechava o local foi arrancada. Improvisaram uns tapumes, que não resistiram às intervenções de visitantes que, a despeito do abandono do espaço, aproveitam a área para se divertir, sobretudo aos sábados e domingos. Há um playground com gangorra, balanços e uma casinha, todos fabricados em madeira. Um dos balanços está quebrado. Quando a reportagem esteve lá, dois adolescentes estavam cheirando cola de sapateiro. Embora haja uma pessoa responsável pela segurança do Caiara (não vista pela equipe do JC, o acesso é informalmente liberado. 

As telas que cercam as três quadras estão furadas e o piso, irregular. Pedaços de madeiras indicam que a obra não terminou. Tem lixo e mato em alguns trechos. Em outros, a grama está bem cuidada. Poças d’água deixam a pista de skate alagada. Fezes de cavalo em vários pontos sinalizam que animais passeiam no local. Em uma das laterais, há um canal que, segundo moradores, tem cobras. É onde desemboca o esgoto das residências vizinhas do lugar. Há ainda pista de atletismo com oito raias, cujo acesso está fechado por um portão. 

RETOMADA - A Secretaria de Infraestrutura e Serviços Urbanos do Recife informa que o projeto do Parque do Caiara está passando por readequação. Já foram feitas intervenções nos vestiários, nas quadras poliesportivas e na pista de skate. Ainda conforme a gestão municipal, os serviços necessários para a conclusão da obra, como pavimentações internas, serão concluídos ainda este mês. “Pretendemos abrir parcialmente o parque agora em janeiro. Até o meio do ano o Caiara estará todo pronto”, garante o secretário Victor Vieira. O investimento da obra é de R$ 15,1 milhões, parte do Programa Capibaribe Melhor.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias