DRAMA

A angustiante espera por cirurgia cardíaca

Redução da oferta em serviço do SUS na rede privada causa fila de doentes

JC Online
JC Online
Publicado em 06/12/2016 às 8:10
JC Imagem
Redução da oferta em serviço do SUS na rede privada causa fila de doentes - FOTO: JC Imagem
Leitura:

 

 

“Minha vida agora é aqui”, diz a aposentada Ângela Queiroz, 74 anos, apontando para a cadeira de balanço na varanda de sua casa, em uma viela no Sancho, Zona Oeste do Recife. Por orientação médica, ela passa maior parte do dia sentada, pois não pode fazer esforço, sob pena de ter um infarto. Com artérias do coração obstruídas, ela precisa urgentemente de cirurgia. Há dois meses está numa fila que conta com 400 pessoas em todo Estado e teima em não andar. 

São portadores de doenças cardiovasculares e que deveriam ser atendidos pelo serviço de cirurgias mantido pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Real Hospital Português (RHP), em Paissandu, área central do Recife. Desde o início do ano, com repasses cada vez mais escassos, as cirurgias cardiovasculares – eram cerca de 1,3 mil por ano nos tempos de bonança – foram reduzida em 35%. O resultado é previsível: aumento na fila de espera e mortes de pacientes em estado grave.

A situação levou os 20 cirurgiões cardiovasculares que cuidam do serviço no RHP a redigir, há uma semana, carta aberta à população, expondo a precariedade do serviço e as consequências nas vidas dos doentes. Com a redução das operações, veio o desmonte de parte da estrutura e a demissão de alguns profissionais. No documento, os médicos dão dimensão do problema. “Como cardiopatas, muitos terão sua doença agravada ou morrerão aguardando pela cirurgia”, diz o texto.

“Continuamos a operar uma quantidade mínima, mesmo sem receber, em respeito às vidas dos pacientes. Mas a estrutura está precária”, explica o cardiologista Fábio Granja, um dos que assinam o manifesto. “Estamos chegando ao ponto de termos que escolher entre os casos mais graves.” 

O serviço funcionava também em Petrolina e atendia à população do Sertão. Por volta de 2014, não havia fila, quem chegava era operado. Mas, com a crise, que se agravou em 2015, terminou fechando e os pacientes precisam ir para a capital.

Os médicos alegam ter procurado o governo do Estado para discutir a situação, mas não houve sinal positivo para restabelecer o fluxo de operações. “Partimos, há cerca de dois meses, para o Ministério Público, em busca de uma solução.”

O presidente do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), Tadeu Calheiros, diz que o Estado tem que ser responsabilizado pelo atraso. “Trata-se do reflexo do subfinanciamento da saúde pública. Sabe-se que o período é de crise, mas essa é uma situação grave.” Por meio da assessoria do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), a promotora Helena Capela informou que já oficiou o governo do Estado sobre o caso e aguarda resposta.

RESPOSTA

A Secretaria Estadual de Saúde reconhece as dificuldades para manter repasses regulares às cirurgias cardiovasculares do Hospital Português e espera que a situação seja regularizada nos próximos dias. “A questão tem sido enfrentada, sempre mantendo o diálogo com aqueles que fazem o serviço”, diz, em nota, a secretaria.

A SES também se pronunciou a respeito da carta dos cardiologistas. “Encaramos as doenças cardiovasculares como um dos principais problemas de saúde pública, na atualidade. Desde o ano de 2010, a rede de assistência cardiológica, no Estado, cresceu mais de 40%.” 

Até 2010, apenas o Procape e o Hospital Agamenon Magalhães realizavam as cirurgias para pacientes do SUS. “Essas unidades foram reforçadas pelos hospitais Dom Helder Câmara e Pelópidas Silveira. E, já na próxima semana, o Hospital Mestre Vitalino, em Caruaru, abrirá sua emergência cardiológica”, prossegue a nota.

Segundo a SES, a rede de emergência aos pacientes com problemas cardíacos conta com 15 UPAs e 13 hospitais regionais. “Todos equipados com eletrocardiógrafos e suporte da Telemedicina, aptos a prestar o primeiro atendimento e realizar o diagnóstico precoce do infarto agudo do miocárdio – o que é um ganho no tratamento do paciente.”

 

 

 

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias