Burle Marx

Jardins da Praça de Casa Forte à espera de adoção

Primeiro projeto de jardim público de Roberto Burle Marx (1909-1994), a Praça de Casa Forte compõe a terceira reportagem da série sobre as áreas verdes criadas e reformadas pelo paisagista no Recife

Cleide Alves
Cleide Alves
Publicado em 24/01/2017 às 8:08
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
FOTO: Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Leitura:

A variedade de espécies, a composição das plantas nos jardins e o colorido das flores da Praça de Casa Forte confirmam a assinatura de Roberto Burle Marx na famosa área verde da Zona Norte do Recife. “Mesmo com os problemas e pontos negativos identificados, é aqui onde está mais presente o pensamento de Burle Marx”, afirma a arquiteta Ana Rita Sá Carneiro, coordenadora do Laboratório da Paisagem da Universidade Federal de Pernambuco.

Vinculado ao curso de arquitetura da UFPE, o Laboratório da Paisagem pesquisa há anos a obra do paisagista na cidade. Um dos resultados dos estudos, a cartilha Os Jardins de Burle Marx no Recife, está disponível para consultas no site www.ufpe.br/dau.paisagem com a Praça de Casa Forte abrindo a publicação. Projetada em 1935, ela é dividida em três jardins, cada um com um lago no meio da vegetação.

Apenas o canteiro central é adotado e a empresa  cuida da manutenção. Faltam parceiros para assumir os outros dois jardins. “Sozinhos não temos como dar conta de tudo”, observa o presidente da Empresa de Manutenção e Limpeza Urbana (Emlurb), Roberto Gusmão. Das 407 praças do Recife, 89 são adotadas. O telefone para mais informações sobre adoção é (81) 3355-5540.

Foto: Diego Nigro/JC Imagem
A Praça de Casa Forte, no Recife, é o primeiro projeto de jardim público do paisagista Burle Marx - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Burle Marx projetou a Praça de Casa Forte, no Recife, em 1935. Os três jardins têm lagos e plantas - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Pés de cana-da-índia foram indicados pelo paisagista para canteiros da Praça de Casa Forte no Recife - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Os jardins da Praça de Casa Forte, no Recife, são compostos de árvores, arbustos e plantas aquáticas - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Plantas da Amazônia, da mata atlântica e espécies tropicais exóticas decoram a Praça de Casa Forte - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Plantas da Amazônia, da mata atlântica e espécies tropicais exóticas decoram a Praça de Casa Forte - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
A Praça de Casa Forte, no Recife, é o primeiro projeto de jardim público do paisagista Burle Marx - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Praça de Casa Forte ocupa terras do antigo Engenho Casa Forte, do século 16, na Zona Norte do Recife - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
UFPE sugere mais adubação e irrigação das plantas nos canteiros da Praça de Casa Forte, no Recife - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Dos três jardins da Praça de Casa Forte (Recife), só o central é adotado. Empresa faz a manutenção - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Em 2011, Laboratório da Paisagem da UFPE orientou o replantio na Praça de Casa Forte, no Reccife - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Dos três jardins da Praça de Casa Forte (Recife), só o central é adotado. Empresa faz a manutenção - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Em 2011, Laboratório da Paisagem da UFPE orientou o replantio na Praça de Casa Forte, no Reccife - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Praça de Casa Forte ocupa terras do antigo Engenho Casa Forte, do século 16, na Zona Norte do Recife - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Parasitas descaracterizam aarquitetura da copa e tronco de árvores na Praça de Casa Forte, diz UFPE - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Pés de cana-da-índia foram indicados pelo paisagista para canteiros da Praça de Casa Forte no Recife - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Praça de Casa Forte, no Recife, é o primeiro jardim moderno brasileiro, afirma arquiteta Ana Rita - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Em 2011, Laboratório da Paisagem da UFPE orientou o replantio na Praça de Casa Forte, no Reccife - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Praça de Casa Forte, no Recife, é o primeiro jardim moderno brasileiro, afirma arquiteta Ana Rita - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Praça de Casa Forte é tombada pelo Iphan desde 2015 e classificada como jardim histórico do Recife - Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
A Praça de Casa Forte e mais 14 praças de Burle Marx são consideradas jardins históricos do Recife - Foto: Diego Nigro/JC Imagem

 

Roberto Gusmão acrescenta que a prefeitura lançou, no fim do ano passado, um modelo flexível de placas de publicidade para tornar as praças do Recife mais atraentes aos interessados na adoção. Em 2014, a Emlurb fez investimentos no primeiro jardim da Praça de Casa Forte – aquele mais próximo da Avenida Dezessete de Agosto – com a recuperação do lago, a retirada de espécies que não faziam parte do projeto original e o plantio de vegetação indicada por Burle Marx.

VARIEDADE DE PLANTAS

“Espécies colocadas no jardim do meio, numa intervenção realizada em 2014 morreram”, lamenta Ana Rita, citando o pau-mulato e o açaí. Dos oito pés de cássia-grande plantados em 2011, cinco foram atacados por praga e morreram, diz ela. A Praça de Casa Forte é o primeiro jardim moderno brasileiro, destaca Ana Rita.

Burle Marx indicou para a praça exemplares da mata atlântica, da Amazônia e espécies tropicais exóticas de outros continentes. Também sugeriu plantas aquáticas como ninfeas, vitórias-régias e lótus para os lagos. “É muita linda, só falta segurança”, declara o médico aposentado Itamar Belo dos Santos, que pratica caminhada nas calçadas da praça.

“Sinto falta de manutenção nas plantas e a grama está seca”, ressalta Inês Braga, moradora do bairro. “E esse serviço de lavar carro na praça não deveria existir”, completa.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias