Igreja Católica

A história do Brasil contada pela Igreja Católica

O arquivo da Arquidiocese de Olinda e Recife guarda documentos preciosos para a história do País, produzidos pela Igreja Católica

Cleide Alves
Cleide Alves
Publicado em 05/02/2017 às 8:08
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
FOTO: Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Leitura:

O arquivo da Arquidiocese de Olinda e Recife tem, por enquanto, mais de 350 metros lineares de documentos. Desde o século 17 – quando a Coroa portuguesa autorizou a Igreja Católica a criar núcleos religiosos no Brasil colonial – até os dias atuais. Nas estantes do arquivo eclesiástico repousam histórias de povoados e de seus habitantes, que precisavam da permissão dos padres para tudo na vida.

“São documentos importantes para o conhecimento da nossa história porque traçam o perfil da nação brasileira. Alguns deles, do século 18, ainda estavam em prédios de igrejas e nunca foram consultados por nenhum historiador, é um material inédito em leitura”, destaca a restauradora Débora Mendes, contratada pela arquidiocese para fazer a organização do acervo eclesiástico.

Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Arquivo da Arquidiocese de Olinda e Recife está sendo organizado e higienizado pela Igreja Católica - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Certidões, bulas papais, fotos, selos e jornais compõem o arquivo da Arquidiocese de Olinda e Recife - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
O arquivo da arquidiocese está guardado no antigo prédio da Cúria Metropolitana, na Várzea (Recife) - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Livro da Irmandade do Bom Jesus das Chagas, da Igreja de São Gonçalo do Recife faz parte do acervo - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
O livro de despesas da Irmandade do Bom Jesus das Chagas, do Recife, cobre o período de 1722 a 1804 - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
O livro de despesas da Irmandade do Bom Jesus das Chagas, do Recife, cobre o período de 1722 a 1804 - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Termo de doação de sinos do Mosteiro de São Bento para a Igreja da Sé assinado por dom Helder Camara - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Carta de recomendação escrita em pergaminho bordado com fios de algodão e fios dourados, em 1910 - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Primeira etapa da obra de organização e limpeza do arquivo da arquidiocese foi realizada em 2016 - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Livro de tombos da Irmandade das Almas, de 1887-1888, tem encadernação francesa, é uma raridade - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Encadernação do livro de tombos da Irmandade das Almas foi encomendado pela Igreja do Manguinho - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Bula papal de 1918, assinada pelo Papa Pio XI, com a nomeação da Arquidiocese de Olinda e Recife - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
O arquivo pertencente à arquidiocese ficará à disposição de pesquisadores após ser organizado - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Restauradora Débora Mendes coordena o trabalho de organização do acervo eclesiástico da arquidiocese - Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

 

A Igreja Católica administrava a vida dos cidadãos desde o nascimento até a morte, com emissão de certidões de batismo, casamento, divórcios perpétuos e justificativa de solteiro, autorização para casamento de pessoas viúvas e para o ingresso no seminário. Também avaliava os pedidos de viagens de brasileiros para além-mar e dos estrangeiros para entrar na colônia, diz Debora.

“Ela dividia esse poder com a Coroa portuguesa, funcionava como o nosso cartório civil na época”, afirma Débora Mendes. O arquivo preserva relatos de violência contra mulheres, de doenças que matavam a população e da higiene nas localidades. “A importância da Igreja era tanta que as vilas se desenvolviam em volta de um monumento religioso, construído em cima de uma colina e fortificado por muros altos.”

A localização dos templos era estratégica, para garantir a vista do horizonte e para os religiosos vigiarem possíveis invasões de inimigos, observa Débora. “Moradias e comércio surgiam nessa região protegida pela Igreja Católica e pela Coroa portuguesa. Documentos que determinam essa movimentação encontram-se nesse arquivo, são preciosidades para conhecimento do Brasil colônia.”

Em meio às 559 mil páginas já organizadas, higienizadas e acondicionadas da forma correta em estantes, há material produzido em papel artesanal, encadernação especial (livro de tombo da Irmandade das Almas, 1887-1888, com encadernação francesa encomendada pela Igreja do Manguinho), a Bula Papal em pergaminho (papel feito de couro de animal) de 1918 com a nomeação da Arquidiocese de Olinda e Recife assinada pelo papa Pio XI e o sinete que atesta a originalidade da carta pontifícia.

No processo de solicitação para entrar no seminário (1910), de um postulante a padre, a carta de referência de um religioso, escrita em latim num pergaminho bordado com fios de algodão e fios dourados, ganha ares de relíquia no acervo histórico. Da Igreja da Madre de Deus foi resgatado o livro de óbitos de filhos de mulheres escravas, de 1872.

“É o primeiro livro após a promulgação da Lei do Ventre Livre (28 de setembro de 1871) a registrar a morte de crianças nascidas livres e que, por essa condição, poderiam ser enterradas nos cemitérios”, diz Débora. Meninos e meninas, de até 7 anos, morriam de convulsão, tétano, inanição, verminose, diarreia e hepatite entre outras doenças. A Igreja Católica fez todo esse registro, comenta Débora Mendes.

Durante a primeira etapa do Projeto de Preservação da Memória do Arquivo da Arquidiocese de Olinda e Recife, realizada de maio a novembro de 2016 com coleções de 1722 a 2000, também foi localizado o livro de despesas da Irmandade do Bom Jesus das Chagas, da Igreja de São Gonçalo do Recife, do período de 1722 a 1804. É o documento mais antigo da coleção já organizada.

PARCEIROS

O arquivo da Igreja Católica contém selos postais, fotografias e jornais. Materiais recolhidos ano passado de igrejas de Olinda e do Recife ainda serão inventariados, informa Acácia Coutinho, administradora do Arquivo Dom José Lamartine. “A arquidiocese financiou a primeira etapa do projeto, vamos correr atrás de patrocinadores para continuar o trabalho e abrir o acervo à pesquisa”, acrescenta Acácia.

Hoje, o pesquisador informa o assunto que está à procura e funcionários do arquivo fazem a busca. O arquivo dispõe de uma máquina para leitura de microfilmes, doada por integrantes da Igreja dos Mórmons que consultaram o livro de tombo de casamentos e batizados para fazer árvore genealógica. Eles também doaram os rolos dos microfilmes do tema pesquisado. A Diocese de Olinda, que antecede a arquidiocese, foi criada em 1676.

O acervo encontra-se guardado no prédio da antiga Cúria Metropolitana, no bairro da Várzea, Zona Oeste do Recife

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias