violência

Estagiária da CBN Recife é ferida na cabeça por pedrada no metrô

Pedaços de vidro entraram no olho da estudante, que precisou ser levada a um hospital

Amanda Tavares
Amanda Tavares
Publicado em 06/03/2017 às 23:52
Foto: Divulgação
Pedaços de vidro entraram no olho da estudante, que precisou ser levada a um hospital - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

A estudante de Jornalismo Nathalia Alesse, 21 anos, ficou ferida na cabeça após levar pedrada dentro de um vagão do metrô, na noite desta segunda-feira (6), no Centro do Recife. A estagiária saiu da Rádio CBN Recife, em Boa Viagem, e pegou a linha sul do metrô. Por volta das 19h15, entre as estações Joana Bezerra e Recife, uma pedrada que veio do lado de fora quebrou o vidro da janela de onde a jovem estava sentada e os estilhaços atingiram o rosto e o pescoço dela.

Passageiros do metrô iniciaram os primeiros socorros ainda no vagão e, ao chegar na estação Recife, funcionários da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) ofereceram ajuda e acompanharam a vítima até o Hospital Esperança, de onde ela foi transferida para o Hope (unidade especializada em oftalmologia), já que pequenos pedaços de vidro precisaram ser retirados do seu olho. A estudante passa bem e registrou boletim de ocorrência na Delegacia de Santo Amaro, área central do Recife. Em seguida foi ao IML fazer exame de corpo e delito.

Ainda assustada, Nathalia contou à reportagem do Jornal do Commercio que havia deixado de andar de metrô há algumas semanas por ter presenciado uma briga entre as torcidas organizadas do Sport e Santa Cruz, dentro de um vagão, num dia de domingo, após um clássico de futebol. "Fiquei com medo e decidi voltar a usar esse meio de transporte somente há dois dias. E logo aconteceu isso. Entendo, porém, que o problema da insegurança, nesse caso, foge do controle da CBTU, já que a pedrada veio de fora", afirmou.

Estagiária da CBN Recife ressalta sensação de insegurança no Estado

A estudante criticou o clima de insegurança que se vive em Pernambuco. "A gente se sente desassistido. O governador continua dizendo que está tudo sob controle, mas vemos que não está. É preciso que sejam tomadas providências mais severas, pois, do jeito que está, os ladrões estão ficando mais experientes a cada dia e a sensação que temos é que vai chegar a um ponto em que não mais poderemos sair de casa", lamentou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias