ALERTA EM PERNAMBUCO

Participante do jogo Baleia Azul presta depoimento na DPCA do Paulista

A jovem teria entrado no jogo na última segunda-feira (17) e se negou a cumprir um dos desafios, por isso foi punida pelos responsáveis do jogo. A Polícia já investiga o caso

Arlene Carvalho
Arlene Carvalho
Publicado em 19/04/2017 às 18:25
Foto: Erick França/ Rádio Jornal
A jovem teria entrado no jogo na última segunda-feira (17) e se negou a cumprir um dos desafios, por isso foi punida pelos responsáveis do jogo. A Polícia já investiga o caso - Foto: Erick França/ Rádio Jornal
Leitura:

Nesta quarta-feira (19), uma adolescente de 13 anos, que apresenta cortes no braço, foi levada pela mãe até o Departamento de Polícia da Criança e Adolescente (DPCA) do Paulista, na Região Metropolitana do Recife, para prestar depoimento. A suspeita é que os ferimentos no corpo da menina tenham relação com o jogo da Baleia Azul, uma atividade que tem deixado profissionais de saúde, pais e autoridades em alerta.

Segundo o delegado Jorge Ferreira, a jovem teria entrado no jogo na última segunda-feira (17). "Essa menina teria se recusado a cumprir uma das tarefas e por isso sofreu uma sanção, que foi riscar na pele do braço 13 cortes, que corresponde à idade dela. A irmã dela presenciou isso e alertou a mãe, que estava no trabalho. A mãe quando chegou, questionou o que estava acontecendo e a adolescente acabou contando a verdade, que fazia parte desse grupo, estava sendo ameaçada e não conseguia sair", afirma.

Ainda de acordo com o delegado, este é o primeiro caso do jogo registrado em Pernambuco. Três casos já foram comprovados ao redor do mundo. No Brasil, segundo a Polícia Federal, já foram registradas pelo menos três vítimas - Mato Grosso, Minas Gerais e Paraíba, que teriam sido envolvidas com essa prática.

O caso já está sendo investigado. O aparelho de celular da jovem vai passar por perícia.

"Fiquei com muito medo de perder minha filha. Apavorada. Ela disse que entrou por uma rede social, por curiosidade", conta a mãe da adolescente. O delegado destaca a importância dos pais fiscalizarem e orientarem seus filhos sobre as redes sociais. "O alerta para isso é grande e importante. O adolescente é muito vulnerável a questão da curiosidade. É necessário que os pais fiquem atentos no que os filhos fazem na internet. Quanto mais cedo a gente usar de prevenção, melhor vai ser", completa.

Crimes

Segundo o delegado, os "mentores" do jogo podem responder por vários crimes, como lesão corporal, ameaça e indução ao suicídio.

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias