CENAS DO CENTRO

Michael Jackson 'da chuva' e o show que ninguém vê

Mesmo no tempo chuvoso, artista de rua tenta atrair a atenção das pessoas no Centro do Recife

Leonardo Vasconcelos
Leonardo Vasconcelos
Publicado em 21/07/2017 às 18:55
Leonardo Vasconcelos / Especial para o JC Imagem
Mesmo no tempo chuvoso, artista de rua tenta atrair a atenção das pessoas no Centro do Recife - FOTO: Leonardo Vasconcelos / Especial para o JC Imagem
Leitura:

Em meio ao trânsito engarrafado, ruas alagadas e intenso vai e vem de pessoas apressadas, lá está o Michael Jackson da chuva. Bem em um dos mais agitados cruzamentos do Recife, o da Avenida Conde da Boa Vista com a Rua Sete de Setembro, ele faz o seu show. Quase sem plateia. Apesar do grande fluxo de pedestres, que, quem dera, fosse de público.

“Não tem problema se não param, eu vim nessa chuva para animar a minha alma e tentar alegrar o povo. Eu acho que nasci com essa missão e estou aqui pra isso”, disse, resignado, Daniel Galdino. O autônomo de 55 anos, desempregado há mais de 25, vive de bicos. Pinta casas. Lava cachorros. Limpa matos. Complementa a renda (e o sonho) sendo artista de rua. Porque Michael Jackson? “Sou fã, acompanho ele desde os anos oitenta. Quando eu não via ele eu já gostava, depois que vi gostei mais ainda”, disse, ao som de “Thriller”.

O “espetáculo” é montado apenas com uma uma caixa de som. O palco não é nada mais do que o suporte de concreto onde ficava um posto da Polícia Militar que foi desativado. Devidamente caracterizado do jeito que pode, ele dança do jeito que sabe. Arranca um ou outro sorriso debaixo dos guarda-chuvas. “Nessa chuva é até bom dançar porque pelo menos esquenta o corpo e tal”, brincou, com o figurino todo encharcado.

PASSAGEM DE VOLTA

Morador do bairro da Macaxeira, zona norte do Recife, Daniel esperava pelo menos conseguir o dinheiro da passagem de volta do Centro para casa. “Isso não depende do artista e sim, do povo. Quem quiser contribuir eu estou aqui”, disse. Questionado se até aquele momento havia ganhado algo, ela sinaliza que não, mas sorri: “O que importa é a alegria que Deus me deu para animar o povo. Assim é a minha vida e eu gosto dela assim”, finalizou com estilo e um passo de “Moonwalk”. Como quem sabe que às vezes a vida te puxa para trás, mas até para recuar é preciso alegria.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias