Patrimônio

Parceria para pintar o casario do Sítio Histórico de Olinda

O projeto, lançado nesta terça-feira (17) pela prefeitura, é destinado a residências no Sítio Histórico de Olinda. Poderão ser pintadas fachadas e muros

Da Editoria Cidades
Da Editoria Cidades
Publicado em 17/10/2017 às 20:20
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
FOTO: Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Leitura:

Moradores do Sítio Histórico de Olinda terão ajuda da prefeitura para pintar muros e fachadas. No Parceria Amiga, projeto lançado nesta terça-feira (17/10), o município fornece a mão de obra e a família compra o material necessário ao serviço. O imóvel deve ser residencial e sem atraso no pagamento do IPTU, avisa o secretário-executivo de Patrimônio da cidade, Fred Nóbrega.

Os interessados no projeto devem procurar a Secretaria de Patrimônio e Cultura (Rua de São Bento, 160, Cidade Alta) e fazer um cadastro. Além de indicar uma cartela de cores que podem ser usadas nas fachadas, a prefeitura colocará à disposição dos moradores o acervo de fotografias das casas do Sítio Histórico, para orientar na escolha da pintura.

Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Prefeitura de Olinda vai ceder mão de obra para morador da Cidade Alta pintar fachadas do casario - Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
O projeto da Prefeitura de Olinda é voltado para casas residenciais. Morador deve comprar o material - Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Morador interessado no projeto precisa fazer um cadastro na Secretaria de Patrimônio de Olinda - Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
A mão de obra cedida por Olinda para pintar as casas é formada por reeducandos do sistema semiaberto - Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Convênio entre Olinda e o Estado prevê contratação de detentos para a manutenção do Sítio Histórico - Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Detentos que prestam serviços em Olinda atuam como pintor, pedreiro, marceneiro e eletricista - Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Secretaria de Patrimônio orienta morador da Cidade Alta a não usar tinta com esmalte sintético - Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Morador de Olinda encontra na Secretaria de Patrimônio cartela com cores sugeridas para as fachadas - Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Casa pichada na Ladeira da Misericórdia (Sítio Histórico), um dos principais acessos à Sé de Olinda - Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Moradores reclamam de pichações frequentes em casas do Sítio Histórico de Olinda - Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
O serviço oferecido pela Prefeitura de Olinda prevê pintura de muros e fachadas na Cidade Alta - Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem
Casa com fachada bem preservadas na Cidade Alta poderá receber selo de excelência da prefeitura - Foto: Luiz Pessoa/JC Imagem

 

“Temos fotos de todas as casas. Querendo, a pessoa pode resgatar a cor mais antiga registrada na fachada”, afirma Fred Nóbrega. A tinta sugerida, preferencialmente, é cal. “O esmalte sintético agride o patrimônio”, pondera. A prefeitura vai usar a equipe do projeto de Zeladoria do Sítio Histórico de Olinda, formada por 15 reeducandos do regime semiaberto, para pintar as edificações particulares.

No grupo de reeducandos há pintores, marceneiros, pedreiros e eletricistas. “Pela quantidade de homens, é possível pintar mais de uma casa ao mesmo tempo”, diz. Parceria Amiga se soma a outro projeto municipal, o Selo de Excelência, que prevê um certificado para moradores que mantêm os imóveis em bom estado de conservação, respeitando as normas do patrimônio tombado.

Segundo o secretário-executivo, a proposta do selo está sendo discutida pela Procuradoria Municipal. “Com a certificação, o morador poderá ter direito a desconto no Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). Isso está sendo avaliado”, informa.

AVALIAÇÃO

“Muito boa essa iniciativa da prefeitura. Há pessoas que não têm condições de pintar o imóvel toda vez que a fachada aparece pichada. O custo da mão de obra é muito alto. Com esse projeto a pintura ficará mais barata”, avalia o engenheiro e escultor Paulo Costa, morador da Rua do Bonfim, no Sítio Histórico de Olinda. A casa dele, pintada em maio último, foi pichada há menos de 15 dias.

Paulo Costa informa que não limpou a fachada, ainda, para a prefeitura tomar conhecimento do que se passa na Cidade Alta. “A gente gasta uma fortuna para pintar a casa e se depara com uma palhaçada dessa”, ressalta. Vândalos rabiscaram desenhos obscenos e palavras chulas na parede da edificação.

A dona de casa Andréa Maria de Barros Reis, residente na Ladeira da Misericórdia, elogia o projeto. “É interessante, diminui os custos com a despesa da pintura”, declara. Andréa Maria passou 2016 com a moradia pichada. “Estava esperando o fim do ano para pintar. Com certeza vou participar do projeto.”

Ela e Paulo Costa lamentam a ausência de câmeras de monitoramento para flagrar os vândalos em ação no Sítio Histórico de Olinda. “Eu escuto o barulho do spray, mas não vou acordar de madrugada para bater boca com pichador”, afirma Andréa Maria.

Últimas notícias