GRANDE RECIFE

Arenas para rinha de galo são destruídas em Itamaracá

O proprietário da área foi multado em R$ 7.200. Ao todo, 36 galos, vítimas de maus-tratos, foram encontrados no local

JC Online
JC Online
Publicado em 04/12/2017 às 17:50
Foto: Divulgação/CPRH
O proprietário da área foi multado em R$ 7.200. Ao todo, 36 galos, vítimas de maus-tratos, foram encontrados no local - FOTO: Foto: Divulgação/CPRH
Leitura:

A Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) destruiu, nesta segunda-feira (4), uma rinha de galos com três arenas em Itamaracá, no Grande Recife. O proprietário da área foi autuado e multado em R$ 7.200. Ao todo, 36 galos foram encontrados no local. 

Os animais, vítimas de maus-tratos, ficarão sob responsabilidade do proprietário do imóvel até que seja definido para onde irão. Provavelmente, os galos serão doados.

A rinha foi descoberta após um integrante da equipe de fiscalização da CPRH avistar uma gaiola em um imóvel e decidir checar se havia pássaros em cativeiro no local. O dono chegou a alegar que usava a rinha apenas para treinamento dos galos, mas foi conduzido à Delegacia de Polícia do Meio Ambiente (Depoma), no Recife, onde prestou depoimento após a autuação.

Ao avistar uma gaiola num imóvel próximo a uma área de mangue, em Itamaracá, Região Metropolitana do Recife, durante fiscalização ambiental realizada nesta segunda-feira (4), um integrante da equipe fiscalizadora não imaginava que a ida ao local, para checar se havia pássaros em cativeiro, fosse resultar em outra descoberta: a de uma rinha para briga de galos com nada menos que três arenas. Todas foram destruídas de imediato e o proprietário recebeu um auto de infração com multa de R$ 7.200,00.

Trinta e seis galos foram encontrados no local e o proprietário do imóvel ficará como fiel depositário deles, até que seja definido para onde irão – provavelmente serão doados. Os animais, vítimas de maus-tratos, eram preparados para brigas nas arenas, provavelmente com o final apenas quando um dos participantes do confronto matasse o outro. O dono chegou a alegar que usava a rinha apenas para treinamento, mas terminou sendo conduzido à Delegacia de Polícia do Meio Ambiente (Depoma), no Recife, onde prestou depoimento após a autuação.

Ações em Itamaracá e Itapissuma

Nesta segunda (4), nas cidades de Itamaracá e Itapissuma, três equipes de agentes ambientais apuraram denúncias de desmatamento, criação de animais silvestres em cativeiro e de que algumas padarias da região usavam madeira de origem ilegal.

Os agentes apreenderam 16 aves, entre sibitos, canários, galos de campina, guriatãs e chorões. Todos foram encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres de Pernambuco (Cetas Tangara), da CPRH, onde serão avaliados e passarão por reabilitação, antes de serem devolvidos à natureza.

Não foram constatados desmatamentos ilegais. Nove padarias foram vistoriadas e em nenhuma havia uso de madeira ilegal. No entanto, oito estavam sem licenciamento e terão que regularizar a situação para continuar funcionando.

Com o apoio de policiais da Cipoma (Polícia Militar) e da Depoma (Polícia Civil), a ação desta segunda foi mais uma investida do Grupo de Trabalho (GT) de fiscalização de fauna e flora, da Agência Estadual do Meio Ambiente (CPRH). Divididos em três equipes, os agentes ambientais foram apurar denúncias de desmatamento, criação de animais silvestres em cativeiro e de que algumas padarias da região usavam madeira (lenha ) de origem ilegal, feitas à CPRH.

A ação compreendeu os municípios de Itamaracá e Itapissuma e não constatou desmatamentos ilegais. Em relação às padarias, nove foram fiscalizadas e não se constatou uso de madeira ilegal, mas oito delas encontram-se sem o licenciamento e terão que regularizar a situação para continuar funcionando. Já em relação aos pássaros em cativeiro, foram apreendidos 16, entre sibitos, canários, galos de campina, guriatãs e chorões. Todos foram encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres de Pernambuco (Cetas Tangara), da CPRH, onde serão avaliados e passarão por reabilitação, antes de serem devolvidos à natureza.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias