Balanço

Com 13.795 homicídios em sua gestão, Paulo Câmara destaca melhorias

Foram 5.427 assassinatos em 2017, 21,2% a mais que em 2016

Margarette Andrea
Margarette Andrea
Publicado em 15/01/2018 às 21:58
JC Imagem
Foram 5.427 assassinatos em 2017, 21,2% a mais que em 2016 - FOTO: JC Imagem
Leitura:

Os números da violência em Pernambuco continuam assustadores. Em 2017, 5.427 pessoas foram assassinadas, 21,2% (948 pessoas) a mais do que no ano anterior, quando houve 4.479 homicídios no Estado. A média é de 14,8 pessoas mortas por dia. Somente no atual governo, são 13.795 Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs). É como se a população de um pequeno município do Estado fosse extinta a cada ano.

Durante assinatura de um convênio com o Tribunal de Justiça, no Palácio do Campo das Princesas, o governador Paulo Câmara reconheceu que os números são altos, mas salientou que começaram a apresentar queda nos últimos meses, seja de CVLIs ou de Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVPs), devendo ser essa a tendência deste ano. “Todo o esforço está começando a surtir efeito, ainda não é o efeito que nós queremos, mas temos agora a entrada de mil policiais civis, para que haja mais rapidez na investigação e, em abril, nova rodada de 1,3 mil militares para dar uma presença cada vez maior nas ruas”, afirmou.

Em comparação com 2016, apenas dois meses apresentaram redução de homicídios. Em dezembro, a queda foi de 16,5% (de 472 para 394). Em junho, de 14% (de 333 para 379). Já em seu balanço, a SDS destacou a queda entre o primeiro e o segundo semestre de 2017, quando há uma redução de 2.875 para 2.552 assassinatos.

FALTA DE TRANSPARÊNCIA

Em nota, deputados de oposição da Assembleia Legislativa salientam que o índice de CVLIs cresceu 58% durante os três primeiros anos do governo. E creditam os números à falta de pessoal, de prevenção, de integração com os municípios e o governo federal, de diálogo e de transparência.

A socióloga Edna Jatobá reforça esse último ponto: "Quando, em 2006, o governo viu a explosão dos números da violência, ele sentou com a sociedade para pensar as soluções. Assim, nasceu o Pacto Pela Vida. Por anos, o programa disponibilizou para a população os nomes, idades e causa de morte das vítimas. Foi uma vitória. No ano passado, isso acabou. O governo não dá mais satisfação, não abre o debate para a sociedade. Fica com as respostas apenas para si."

E não foram só os homicídios que subiram. Os Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVPs) passaram de 114.802 em 2016 para 119.747 em 2017. “O segundo semestre teve 7.633 ocorrências de CVPs a menos que o primeiro”, diz o balanço da SDS, destacando que a taxa de crimes desse tipo foi de 588 por 100 mil habitantes de julho a dezembro contra 671 de janeiro a junho.

As ocorrências de violência doméstica e familiar contra a mulher subiram de 31.466 em 2016 para 33.188 em 2017. O de estupros teve uma redução de 2.311 para 2.134 vítimas. Ainda assim, são 5,8 mulheres estupradas a cada dia em Pernambuco. Com a tipificação dos crimes de gênero, a partir do ano passado, o Estado contabilizou 76 feminicídios – quando a vítima é morta pela condição de ser mulher.

MELHORIAS

A SDS destaca que a melhoria dos resultados do segundo semestre são decorrentes de ações implantadas, inclusive no que diz respeito aos CVLIs. Segundo o órgão, 2.249 homicidas foram presos em 2017, com 90 operações desencadeadas ao longo do ano para prender assassinos e desarticular grupos de extermínio.

Outro exemplo citado é o de assaltos a ônibus, com 844 casos no primeiro semestre e 562, no segundo, após criação da Força-Tarefa Coletivos, em agosto. No total, 297 assaltantes de ônibus foram presos. A redução de investidas contra instituições financeiras, roubos e furtos de veículos e assaltos em geral também é creditada a operações policiais, além do aumento de efetivo.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias