Queda do Globocop

'Ele foi um guerreiro a todo momento', afirma médica que tratou vítima do Globocop

A chefe da UTI do Hospital da Restauração afirmou que a causa da morte de Miguel Brendo foi politraumatismo. Terceira vítima morreu nesta quinta

JC Online
JC Online
Publicado em 01/02/2018 às 14:42
Guga Matos/JC Imagem
A chefe da UTI do Hospital da Restauração afirmou que a causa da morte de Miguel Brendo foi politraumatismo. Terceira vítima morreu nesta quinta - FOTO: Guga Matos/JC Imagem
Leitura:

A chefe da UTI adulto do Hospital da Restauração, Fátima Buarque, falou sobre a experiência de tratar o operador de transmissões Miguel Brendo Pontes Simões, de 21 anos, morto nesta quinta-feira (1º). Miguel era a terceira vítima e único sobrevivente da queda do Globocop, no último dia 23 de janeiro. "Foi um grande prazer ter tratado o rapaz, porque ele foi um vitorioso a todo instante. Eu só posso agradecer ao fato de ter recebido Miguel e ter tentando dar esperanças a ele", afirmou a médica.

A causa da morte de Miguel foi o politraumatismo devido a queda do helicóptero. Ele sofreu traumas abdominais, torácicos e cranianos, além de fraturas nas pernas e na face. No dia do acidente, ele passou por três cirurgias e 48 horas depois, passou por uma avaliação dos procedimentos, que é de praxe. A morte dele foi decretada às 10h35 desta quinta.

"Ele foi para UTI, saiu de estado gravíssimo para grave, isso foi um alento pra nós e para os familiares. Mas desde ontem a gente percebeu que ele não respondeu como respondia antes. Então as medicações foram diminuídas na tentativa de uma reação, que infelizmente não aconteceu", explicou Fátima Buarque. 

Gratidão

O sepultamento de Miguel Pontes será nesta sexta-feira, às 11h, no Cemitério Memorial Guararapes, em Jaboatão dos Guararapes, Grande Recife. No hospital, o comandante Wagner Monteiro, padrasto do jovem e um dos sócios da Helisae, dona do helicóptero, agradeceu todo o apoio recebido pela família. "Eu só tenho a agradecer a todo mundo, desde os moradores de Brasília Teimosa, ao pessoal que veio doar sangue, a imprensa. Agora o que fica são as melhores lembranças possíveis", contou, emocionado. 

Últimas notícias