Violência

São José da Coroa Grande: Prefeito vai reunir secretariado para combater violência

A matança na última quinta (15), com um triplo homicídio e neste sábado (18) com um quíntuplo assassinato acendeu o alerta da violência no município

Luisa Farias
Luisa Farias
Publicado em 18/02/2018 às 13:30
Foto: Cortesia
A matança na última quinta (15), com um triplo homicídio e neste sábado (18) com um quíntuplo assassinato acendeu o alerta da violência no município - FOTO: Foto: Cortesia
Leitura:

Atualizada às 14h23

O prefeito de São José da Coroa Grande, Jaziel Gonsalves Lages (PEN), conhecido como Pel, vai se reunir com o secretariado na próxima terça-feira (18) para discutir sobre o incremento de políticas públicas de prevenção à violência no âmbito municipal. A matança começou na última quinta-feira (15) com um triplo homicídio e se alastrou neste sábado com um quíntuplo assassinato. Segundo a polícia, o aumento da violência na cidade está associado ao avanço do tráfico de drogas e à disputa de gangues por esses territórios

"A partir de terça-feira, todos os nossos secretários vão estar reunidos, principalmente de Inclusão Social, que é o mais importante do governo e a Secretaria de Educação. Desde o início do nosso governo criamos uma equipe multidisciplinar, com psicólogos, pedagogos e assistentes sociais para atender pessoas em vulnerabilidade. Mesmo com toda a dificuldade que passamos no ano passado, a gente conseguiu atender mais de 400 crianças e adolescentes e atendendo as famílias também", contou o prefeito. 

O prefeito se queixou da falta de atenção dada ao município ao longo dos anos, que viu o índice de homicídios começar a crescer desde 2009 e foi se agravando até alcançar o recorde de 41 assassinatos em 2017. "Minha maior tristeza é ver os nossos filhos, parentes, amigos se perdendo porque não tivemos uma ação de governo, de vários governos, que não fizeram políticas públicas realmente voltadas para a nossa sociedade, para as crianças e adolescentes, esqueceram disso", disparou o Jaziel. A onda de violência vem aterrorizando a pequena população de 20,9 mil habitantes do município.

Força-tarefa

O secretário-executivo de Defesa Social de Pernambuco, Humberto Freire, se reuniu neste sábado (17) com Jaziel, o comandante-geral da Polícia Militar, Vanildo Maranhão, e o chefe da Polícia Civil do Estado, delegado Joselito Kehrle para discutir estratégias para a prisão dos envolvidos nos assassinatos. "A nossa maior dificuldade aqui era de que tinha pouco contingente e agora eles estão mandando delegado, agentes de polícia, reformando a delegacia", contou o prefeito.

Equipes das polícias Civil, Militar e Científica estão reforçando as investigações. O delegado da Polícia Civil Manoel Martins assumiu na última quinta-feira (15) a titularidade da delegacia do município. Segundo ele, os homicídios recentes tiveram início por conta de um vídeo, de janeiro deste ano, em que um integrante de uma das gangues é brutalmente assassinado. "As pessoas que cometeram a chacina começaram a enfrentar e desafiar o rival. Todas as investigações estão caminhando nesse sentido, de que essa seria a motivação para esses números de homicídios ocorridos de lá para cá", explicou o delegado. 

Dois adolescentes já foram autuados por associação ao tráfico de drogas. Eles fariam parte de uma das facções envolvidas nos conflitos. A Polícia Civil solicitou ao Ministério Público de Pernambuco a internação deles por 45 dias para uma unidade de atendimento socioeducativo. "Precisamos que o MPPE tenha consciência do perigo que esses adolescentes estão tendo e de que eles seriam possíveis alvos de outras ações criminosas", disse o delegado Manoel Martins. 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias