História

Mosteiro de São Bento de Olinda, história que se escreve há 432 anos

Na oitava reportagem da série sobre os primeiros prédios tombados individualmente como patrimônio nacional em Olinda, descubra o Mosteiro de São Bento, inscrito no Livro de Belas Artes do Iphan desde julho de 1938. Protegido por lei federal há 80 anos, o prédio não pode ser demolido nem descaracterizado. A série teve início domingo passado (20/05) e termina amanhã (28/05)

Cleide Alves
Cleide Alves
Publicado em 27/05/2018 às 8:08
Foto: Guga Matos/JC Imagem
FOTO: Foto: Guga Matos/JC Imagem
Leitura:

Quando aportaram na vila de Olinda para fundar o Mosteiro de São Bento, em 1586, os monges beneditinos tiveram como primeira morada a Igreja de São João Batista dos Militares, no Amparo. Depois, transferiram-se para a Igreja do Monte, no bairro de mesmo nome. Curiosamente, as duas edificações escaparam do incêndio holandês em 1631. Talvez por estarem afastadas do que se poderia chamar o Centro da cidade naqueles tempos.

Mas não é nem em uma nem na outra que os monges vindos de Portugal para o Brasil fixam residência. Os beneditinos constroem o mosteiro de 1586 a 1592 num terreno no atual bairro do Varadouro. O convento, elevado a abadia em 1596 (século 16), é destruído no incêndio provocado pelos holandeses calvinistas no século 17. Reconstruído, passa por várias intervenções e hoje se apresenta como um edifício religioso barroco do século 18.

“A obra de reconstrução terminou em 1761 e alguns anos mais tarde, em 1860, frei Filippe de São Luís Paim faz uma grande intervenção no prédio, com acréscimos e modificações”, informa dom Luiz Pedro Soares, 107º abade do Mosteiro de São Bento. No ano de 1895, seis anos após a Proclamação da República, novos beneditinos ingressam no País para repovoar o então esvaziado mosteiro de Olinda.

Os monges desembarcam em Olinda, alguns ficam na cidade e outros se dirigem à Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo e Quixadá (CE) entre outras localidades, diz o abade. “É o primeiro grupo de religiosos que chega para ajudar a restaurar o mosteiro, vieram muitos alemães, eles têm espírito missionário, são acostumados a sair das suas terras e enfrentar desafios em novos lugares”, comenta dom Luiz.

Obra

Uma cruz afixada na Sala Capitular, onde os monges se reúnem para tomar decisões importantes para a vida do monastério, foi trazida da Bélgica para Olinda pelos missionários de 1895. A sala, cheia de vitrais com motivos religiosos, está inserida no projeto de restauração dos bens móveis integrados (parte artística) do Mosteiro de São Bento, aprovado pelo PAC Cidades históricas, programa financiado com recursos do governo federal.

O projeto, que está sendo desenvolvido há dois anos por uma empresa contratada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), contempla todo o conjunto arquitetônico do mosteiro: altares laterais e tribunas para as antigas pregações dos padres na igreja, capela abacial, sacristia, Sala Capitular e outras áreas do convento. É um dos principais projetos do PAC, diz o engenheiro do Iphan Frederico Almeida.

Foto: Guga Matos/JC Imagem
Mosteiro de São Bento, em Olinda, é considerado patrimônio nacional pelo Iphan desde 1938 - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
A Igreja do Mosteiro de São Bento representa a arte religiosa barroca na cidade de Olinda - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
O altar da Igreja do Mosteiro de São Bento, barroco-rococó, foi exposto em mostra nos EUA em 2001 - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Com 13,8 metros de altura, altar da Igreja do Mosteiro de São Bento foi esculpido no século 18 - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Sala Capitular do Mosteiro de São Bento, em Olinda, é usada para reuniões pelos monges beneditinos - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Vitrais com motivos religiosos decoram a Sala Capitular do Mosteiro de São Bento, em Olinda - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
O claustro do Mosteiro de São Bento, em Olinda, é uma área reservada dos monges beneditinos - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
O Mosteiro de São Bento de Olinda, no bairro do Varadouro, foi fundado em 1586, no século 16 - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
A Igreja do Mosteiro de São Bento de Olinda recebe visitantes todos os dias, sem taxa de acesso - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
A sacristia do Mosteiro de São Bento de Olinda, com móveis de jacarandá, será restaurada pelo Iphan - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
O Mosteiro de São Bento de Olinda foi elevado a abadia em 22 de agosto de 1596, no século 16 - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
O Mosteiro de São Bento, na Cidade Alta de Olinda, é ocupado por 12 monges beneditinos atualmente - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
O símbolo da ordem beneditina pode ser visto na fachada da Igreja do Mosteiro de São Bento (Olinda) - Foto: Guga Matos/JC Imagem

 

Não haverá intervenções no altar-mor, dedicado a São Bento e que representou a arte barroca-rococó brasileira na exposição Brasil: Corpo e Alma no Museu Guggenheim de Nova Iorque, em 2001, como a peça mais importante da mostra. Esculpido em madeira nobre e folheado a ouro, o altar do século 18 foi restaurado pela Fundação Joaquim Nabuco antes de seguir para os Estados Unidos, num trabalho coordenado pela restauradora Pérside Omena.

“Também temos uma pintura renascentista de 1594 doada ao mosteiro em 1870, que retrata São Sebastião, e a imagem do primeiro papa beneditino, São Gregório Magno, eleito em 592 e falecido em 604”, destaca dom Luiz. A igreja abre as portas das 5h30 às 12h e das 14h às 18h30, de segunda a sábado, e das 5h30 às 12h e das 14h às 19h30 aos domingos, sem cobrança de taxa de acesso aos visitantes.

Manutenção

Eles avaliam a possibilidade de implantar taxa de ingresso, como fazem outras igrejas do Sítio Histórico, para ajudar na manutenção da casa. “É difícil a conservação de uma edificação tão grande como essa, precisamos garantir a sustentabilidade do mosteiro”, afirma dom Luiz, eleito abade em 6 de dezembro de 2016.

Os monges, diz o abade, têm a obrigação perpétua de rezar missa todos os dias em intenção da alma dos beneditinos fundadores do monastério e dos benfeitores portugueses que colaboraram com a construção do prédio doando terreno e materiais e também com a manutenção do edifício.

Além das atividades religiosas, o Mosteiro de São Bento tem vínculos com a história da educação superior no País. Dependências do convento acolheram, no princípio do século 19, o primeiro curso de direito do Brasil, criado em 1827. E no século 20, abrigou os cursos de agricultura e medicina veterinária, fundados em 1912 e que deram origem à Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).

Serviço

Mosteiro de São Bento
Rua de São Bento – Varadouro
Fone: (81) 3316-3288

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias