entrevista

Padre Cosmo nega fama de exorcista, mas admite: 'desço do altar e atendo'

'Jesus está naquela pessoa porque ela está ferida, machucada. Ela precisa do meu apoio como padre'; religioso autografa livro de preces nesta quinta

Elton Ponce
Elton Ponce
Publicado em 12/09/2019 às 7:29
Checagem de fatos
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
FOTO: Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Leitura:

De férias no Recife desde o mês de julho, o padre Cosmo Francisco do Nascimento, 50 anos, que por uma década esteve à frente da paróquia de Nossa Senhora da Paz, em Afogados, Zona Oeste da capital, tem tempo corrido. Onde está, fiéis o acompanham querendo uma palavra, um abraço, uma foto. Ele atende a todos com um sorriso. Essa é uma das principais características do religioso, paraibano de Aroeiras, que, mesmo morando em Roma, onde faz mestrado em Mariologia – estudo da obra da Virgem Maria, não esquece o Recife. Tanto que lançou nessa quarta seu segundo livro e nesta quinta-feira (12), a partir das 14h, autografa a publicação e recebe fiéis na Paulinas Livraria, no bairro de São José, no Centro.

Padre Cosmo é de conversa fácil. Transmite tranquilidade e não deixa de atender ninguém. Mesmo durante a entrevista, recebia abraços, bombons e sorrisos dos fiéis que o aguardavam na Cúria Metropolitana da Arquidiocese de Olinda e Recife, no bairro das Graças, Zona Norte da cidade. “Para mim é muito gratificante porque sei que é um trabalho de Deus. Mas é cansativo. Toda noite quando vou dormir agradeço a Deus, mas às vezes estou tão cansado que nem consigo orar”, confessou, sorrindo.

Cosmo Francisco é sacerdote há 22 anos e ficou conhecido pelo atendimento espiritual a fiéis aflitos e doentes. Em Afogados, por exemplo, suas celebrações às quartas e aos domingos eram concorridas. “Há vários problemas espirituais que os médicos e cientistas já descobriram que ultrapassam a área deles. Então, enviam aos padres. E há padres que têm essa sensibilidade, como eu. O povo me deu o título de exorcista, mas eu não sou. Estou estudando para ajudar as pessoas. Faço um trabalho espiritual. Se eu estiver celebrando a Santa Missa e alguém passar mal eu vou lá, desço do altar e atendo. Jesus está naquela pessoa porque ela está ferida, machucada. Ela precisa do meu apoio como padre”, registra.

Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Padre Cosmo ainda celebra outras três missas no Recife - Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Igreja Madre de Deus ficou lotada - Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Padre assinou exemplares do livro Em Sintonia com Deus - pela força da oração - Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
- Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Preço a pagar

O religioso sabe que a atitude custa caro. “Aqueles que são conservadores dizem que o padre deixou o altar, que é um sacrilégio. Os que têm uma visão mais ampla dizem que o padre foi ao socorro de quem caiu. O altar é um momento de conexão com Deus, mas é para o povo. O padre é uma luz para iluminar um coração que está na treva”, disse.

Padre Cosmo informou que dom Fernando Saburido, arcebispo de Olinda e Recife, nomeou um exorcista para a diocese. Trata-se do padre Fabiano Cabral, da Igreja de Nossa Senhora das Dores, em Apipucos, Zona Norte. Ele estudou em Roma e se especializou no assunto. O exorcismo é a cerimônia religiosa da Igreja Católica que visa expulsar espíritos que estejam atormentando as pessoas. “Quem tiver algum problema que a medicina não descubra, procure o padre. Peça uma bênção a ele, uma oração. Ele se capacitou para isso.”

O sacerdote fica no Recife até segunda (16), quando retorna a Roma para seguir os estudos. Até lá, celebra missas nesta sexta-feira (13), às 19h, na Igreja de São Sebastião, no Cordeiro; no sábado (14), às 18h, e no domingo (15), às 19h, na Faculdade Santa Helena, na Avenida Caxangá, na Zona Oeste. Em todas as celebrações será possível adquirir o livro, que custa R$ 20 e terá renda revertida para custear os estudos do padre, para a construção da Fazenda Esperança Feminina e para a Rádio Olinda, emissora da Arquidiocese de Olinda e Recife.

Últimas notícias