JULGAMENTO

Julgamento de mulher acusada de matar marido em Aldeia terá desfecho nesta terça-feira

Jussara Paes está sendo acusada de homicídio triplamente qualificado pela morte do marido

JC Online
JC Online
Publicado em 04/11/2019 às 21:56
Notícia
Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Jussara Paes está sendo acusada de homicídio triplamente qualificado pela morte do marido - FOTO: Foto: Brenda Alcântara/JC Imagem
Leitura:

O julgamento da farmacêutica Jussara Rodrigues da Silva Paes, acusada de matar o marido, o médico Denirson Paes da Silva, em Aldeia, Camaragibe, na Região Metropolitana do Recife (RMR), em 2018, foi retomado nesta terça-feira (5), às 9h30, no Fórum de Camaragibe, no bairro de Nazaré. O Tribunal do Júri, que teve início na manhã desta segunda-feira (4), está sendo presidido pela juíza Marília Falcone, da 1ª Vara Criminal da comarca.

>>> Leia: Retomado o julgamento da mulher acusada de matar o marido em Aldeia

A previsão inicial era de que o julgamento durasse quatro dias, mas, agora, espera-se que seja concluído nesta terça-feira (5). Neste primeiro dia, cinco testemunhas arroladas pela acusação foram ouvidas, incluindo o filho mais novo de Jussara e Denirson, o estudante Daniel Paes.

“Quero que ela pague pelo que manda a justiça. Eu estou aqui para contribuir com meu pai. Por minha vontade, em si, eu estaria bem longe daqui”, disse Daniel.

Em interrogatório, que durou três horas durante a tarde, Jussara chorou várias vezes. A defesa afirmou que ela agiu em legítima defesa. “Ela não queria matar. Iremos mostrar para os jurados que Denirson era agressor, que ele era covarde”, disse Rafael Nunes, advogado de defesa.

Jussara Paes responde por homicídio triplamente, cometido por motivo torpe e cometido à traição, de emboscada, ou mediante dissimulação, ou algum outro recurso que dificultou ou que tornou impossível a defesa da vítima.

A acusação avaliou positivamente o primeiro dia de julgamento. "Foi uma confirmação de todo o trabalho que foi realizado desde a investigação pela Polícia Civil e também de tudo o que foi produzido na audiência de instrução, ou seja, as provas de fortaleceram, ficou provado que Jussara Paes cometeu o homicídio contra Denirson", afirmou o assistente de acusação do MPPE, Carlos André Dantas.

Filho em liberdade provisória 

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) decidiu  no dia 17 de julho, por unanimidade, manter em liberdade provisória o engenheiro Danilo Paes Rodrigues, acusado de participar da morte do pai

De acordo com o TJPE, na decisão que indeferiu pedido de suspensão da liberdade provisória, os magistrados consideraram, dentre outros aspectos, o cumprimento das medidas cautelares pelo réu, bem como a permanência em endereço fixo, a inexistência de ameaça a testemunhas, a ausência de antecedentes criminais (primário) e que a liberdade foi concedida apenas após o término da instrução do processo na Justiça de Camaragibe.

Relembre o caso

O cardiologista desapareceu no dia 31 de maio de 2018. Os primeiros pedaços do corpo esquartejado foram encontrados no dia 4 de julho, em uma cacimba localizada na área externa da casa da família, em um condomínio na Estrada de Aldeia, em Camaragibe. As buscas foram encerradas nove dias depois. De acordo com a denúncia do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), por não aceitarem o término do relacionamento entre Denirson e Jussara, bem como por interesse patrimonial, os réus mataram a vítima por esganadura, sem que o médico jamais esperasse tamanha agressão.

Segundo o inquérito policial, Denirson foi esganado ainda na cama e carregado do quarto até um corredor próximo a um quiosque, onde foram dadas pancadas que afundaram o seu crânio. Apesar da perícia confirmar que Jussara não teria como cometer o homicídio seguido de esquartejamento sozinha, a viúva assumiu o crime, dizendo que o filho não teve participação. Para a juíza da comarca de Camaragibe, há indícios suficientes de autoria que recaem sobre os dois acusados.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias