SOLIDARIEDADE

Cartas com pedidos de pacientes com câncer à espera de adoção

Campanha Natal dos Sonhos, no Hospital do Câncer de Pernambuco, reúne cartinhas para Papai Noel. Tem desde pedido de oração a celulares

Margarida Azevedo
Margarida Azevedo
Publicado em 26/11/2019 às 9:53
Notícia
Foto: Felipe Ribeiro  / JC Imagem
Campanha Natal dos Sonhos, no Hospital do Câncer de Pernambuco, reúne cartinhas para Papai Noel. Tem desde pedido de oração a celulares - FOTO: Foto: Felipe Ribeiro / JC Imagem
Leitura:

Aos 25 anos, Odair Alves escreveu sua primeira carta a Papai Noel. Não teve infância, diz ele, porque começou a trabalhar cedo na roça, em Garanhuns, Agreste do Estado. Fã de forró, contou ao Bom Velhinho que ficará feliz com uma caixa de som e microfones. Carmen Tauany Silva, 11, também gosta de música. Na cartinha, pediu um ukulelê, instrumento de cordas. Também pediu a cura do câncer dela e dos amigos do Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP). Crianças e adultos que fazem tratamento lá colocaram seus desejos no papel. As cartinhas são parte da campanha Natal dos Sonhos e estão expostas na entrada da unidade de saúde, em Santo Amaro, área central do Recife, à espera de adoção.

“Tem todo tipo de pedido. Uns mais simples, como oração, e outros como carro de controle remoto, celulares e tablets. Estimulamos os pacientes, independentemente da idade, a participar. Perguntamos: qual é o sonho que você deseja realizar? É isso que eles escrevem”, diz Paula Mendes, uma das voluntárias da Rede Feminina, responsável pela iniciativa. “Quem adotar a carta pode entregar pessoalmente o presente, se quiser. Anotamos o telefone da pessoa para marcar o encontro”, explica Paula.

Cerca de 30 cartas estão penduradas na árvore de Natal. Esse número deve crescer, pois a campanha vai até 20 de dezembro, data-limite para que os presentes sejam entregues. Muitos pacientes moram no interior e vão para suas cidades passar as festas natalinas. “Quanto antes houver a adoção das cartas, melhor. Ano passado tivemos uma média de cem cartas e 60% foram atendidas.”

Caso o doador não possa ir escolher a carta, a Rede Feminina se dispõe a fotografar algumas e mandar pelo WhatsApp para ele escolher. “Dependendo do local até podemos articular um portador para buscar o presente”, informa Paula. Os telefones são 3217-8236 e o dela, 99558.1353.

MÚSICA

Carmen tem câncer nos ossos e perdeu uma das pernas. De São José do Egito, Sertão, recebeu o diagnóstico um ano atrás. A mãe dela, Mazia Alves, 27, diz que a música tem sido a grande amiga da filha. “É uma forma de consolar Tatau (como a menina é chamada pela família). Ela gosta de cantar e agora quer aprender um instrumento”, comenta Mazia. “Tenho muitos sonhos. Os principais são minha cura, a de meus amigos e a cura do câncer. Também gosto de música, por isso queria ganhar um ukulelê”, escreveu Carmen na cartinha.

A costureira Ana Maria Pires, 66, saiu de Gaibu, no Cabo de Santo Agostinho, Grande Recife, para levar doações a crianças da unidade de saúde. Foi quando soube da campanha. Viu Luciele Silva, 10, escrevendo a carta. “Mostrei a minha filha e decidimos adotar a carta dela sem nem saber o que havia pedido. Luciele quer roupa e sapato. Vamos trazer”, garante Ana Maria, ao lado da filha Ana Paula. A menina tem câncer na boca e deve passar por cirurgia esta semana.

“Adotei a carta de um menino chamado Daniel. Ele pediu um celular ou qualquer coisa que seja dada de coração. Isso me tocou muito. Não trarei o celular, mas garanto que vou atrás de presentes que darei com muito amor”, afirma a técnica de enfermagem Lena Lima, 43.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias