PESQUISA

Mulheres vivem 7 anos e 8 meses mais que homens em Pernambuco, diz IBGE

A taxa estadual está abaixo da média do Brasil, onde mulheres devem viver 79,9 anos e homens 72,8

JC Online
JC Online
Publicado em 28/11/2019 às 11:57
Notícia
Foto: Pixabay
A taxa estadual está abaixo da média do Brasil, onde mulheres devem viver 79,9 anos e homens 72,8 - FOTO: Foto: Pixabay
Leitura:

Mulheres têm expectativa de vida ao nascer maior que homens em Pernambuco, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou, nesta quinta-feira (28), a pesquisa das Tábuas Completas de Mortalidade. Espera-se que as mulheres vivam 78,4 anos. Já para os homens a taxa é de 70,8. Os números estão abaixo da  média do Brasil, onde mulheres devem viver 79,9 anos e homens 72,8.

“Esse fenômeno pode ser explicado por causas externas, não naturais, que atingem com maior intensidade a população masculina”, explica o pesquisador do IBGE Marcio Minamiguchi.

Quando observada a expectativa de vida ao nascer sem a divisão por gênero, a taxa em Pernambuco aumentou três meses de 2017 para 2018, alcançando 74,6 anos. Com isso, o Estado tem a segunda maior esperança de vida ao nascer do Nordeste, ficando atrás apenas do Rio Grande do Norte.

No Brasil, espera-se que a população viva 76,3 anos. Assim como Pernambuco, a taxa nacional também cresceu 3 meses de 2017 para 2018. Desde 1940, já são 30,8 anos de aumento na expectativa de vida dos brasileiros.

Atualmente, o Brasil possui mais de 30 milhões de pessoas com mais de 60 anos e a expectativa é que em 2031, o número de idosos superar o de crianças e adolescentes de 0 a 14 anos no Brasil.

Mortalidade infantil

Recém nascidos em Pernambuco têm mais chances de completar o primeiro ano de vida do que em outros estados do Nordeste, segundo o IBGE. No Estado, a taxa de mortalidade infantil é de 11,7 óbitos de crianças menores de 1 ano para cada mil nascidos vivos.

Em 2017, a taxa em Pernambuco era 12,1 para a mesma proporção. Com a divulgação da pesquisa neste ano, o Estado manteve-se com uma taxa de mortalidade infantil menor que a média nacional, que é de 12,4.

Últimas notícias