Engasgo

'Quando vi ela roxinha quis chorar, mas mantive a calma'. Cobradora explica como salvou bebê no Grande Recife

O caso aconteceu na noite desta quinta-feira (30)

Debora Bruna Oliveira
Debora Bruna Oliveira
Publicado em 31/01/2020 às 14:40
Notícia
Foto: Wellington lima/JC Imagem
O caso aconteceu na noite desta quinta-feira (30) - FOTO: Foto: Wellington lima/JC Imagem
Leitura:

Após o susto levado na noite desta quinta-feira (30) quando uma mãe subiu no ônibus desesperada com uma bebê que estava engasgada, a cobradora Maria José, heroína responsável por fazer os procedimentos que salvou a vida da pequena criança de apenas um mês e oito dias, comemora o bem-estar da vítima. Para ela, ver a pequena Gabriela Victória em perfeito estado de saúde é um alívio.

“Eu não esperava passar por uma situação dessa, mas graças a Deus deu tudo certo. Fiquei muito feliz em salvar uma vidinha, declarou. Maria José trabalha com o motorista Seu Zito em uma linha de ônibus no Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife.

De acordo com Seu Zito, eles estavam trabalhando normalmente, quando, ao parar o veículo em um ponto de ônibus, os dois se depararam com uma mãe desesperada. 

“Ela estava apavorada, a bebê estava engasgada e a mãe chorava muito. Na hora senti como se a criança fosse algum parente meu. Então perguntei se a mãe já havia ligado para os bombeiros e como ela disse que não, eu liguei”, disse.

Quando o motorista fez a ligação para o corpo de bombeiros, quem atendeu foi o soldado Edson Mendes, que pediu, como primeiro procedimento a ser feito, que Seu Zito parasse o ônibus.

“Pedi para que ele parasse o veículo, para fazer os procedimentos corretos de engasgo, já que, nesses casos, cada segundo é primordial.”, disse Edson Mendes à reportagem do JC.

Enquanto o bombeiro explicava ao motorista os procedimentos que deveriam ser feitos, a cobradora Maria José pegou a criança nos braços e executou as orientações, repassadas por Seu Zito.

“Quando vi a criança roxinha eu ia chorar, mas não chorei. Fiquei ali e mantive a calma, porque sou mãe e avó e não queria passar a minha tristeza para a mãe”, afirmou Maria José.

Depois dos procedimentos realizados, a criança conseguiu desengasgar e Seu Zito seguiu para o Hospital Infantil do Cabo, onde a criança foi atendida e liberada. 

“Foi um alívio quando após os procedimentos a bebê chorou e os bombeiros disseram que ela estava fora de perigo”, falou Seu Zito.

Como tudo aconteceu

A mãe da criança, Denyse Silva, de 17 anos, estava em casa quando percebeu que a filha de 1 mês e oito dias estava engasgando. 

“Foi um desespero como nunca senti na vida. Chamei meu primo, que fez respiração nela, mas não deu resultado. Então peguei um ônibus para levar ela para o hospital”, contou. 

Denyse também falou que sentiu uma emoção inexplicável quando viu a criança fora de perigo. “Foi uma emoção inexplicável. Ela foi examinada no hospital e está tudo certinho com ela”, disse. 

O que fazer em casos como esse?

De acordo com o soldado Edson Mendes, ao se deparar em casos como esse, é necessário manter a calma.“O que atrapalha o desespero. Se não tiver calma, o final pode ser trágico”, declarou.

Edson também explicou quais procedimentos podem ser feitos em caso de engasgo de crianças de até 1 ano: 

1- Colocar o bebê de barriga para baixo e apoiá-lo sobre o braço;

2 - Dar 5 tapinhas nas costas, próximo aos ombros;

3 - Se a criança chorar, significa que está tudo bem;

4 - Caso ela não chore, repetir o procedimento

5 - Levar a criança ao pediatra para investigar o motivo do engasgo

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias