Crime

Página falsa do Uber dá golpe em usuários

Tática utilizada pelos criminosos era conseguir dados pessoais prometendo um desconto de R$ 100

Estadão Conteúdo com o JC Online
Estadão Conteúdo com o JC Online
Publicado em 06/02/2017 às 19:33
Arnaldo Carvalho/JC Imagem
Tática utilizada pelos criminosos era conseguir dados pessoais prometendo um desconto de R$ 100 - FOTO: Arnaldo Carvalho/JC Imagem
Leitura:

Um golpe envolvendo o aplicativo de transportes Uber está circulando nas redes sociais. Com o nome de UberBr, uma página falsa no Facebook afirma que irá premiar os usuários com um desconto de R$ 100. O endereço, já retirado do ar, contabilizava 20 mil curtidas.

No site, os criminosos pedem informações em troca do falso desconto, como nome completo, telefone e dados do banco e do cartão de crédito. Com esses dados, os criminosos conseguem fazer compras em nome da vítima. 

"É a primeira vez que o nome do Uber é usado em um golpe desse tipo", afirma o especialista em segurança digital e analista da Kaspersky, Fabio Assolini. Trata-se de um phishing, que "pesca" informações de usuários em páginas falsas. "Identificamos três casos nas últimas semanas, talvez por causa do carnaval. As pessoas precisam ficar atentas a este tipo de promoção, principalmente quando é tão generosa."

A UberBr não é a única página falsa de descontos do app. A Kaspersky já identificou endereços como vaideuber.net e o uberdesconto.com.br. O esquema é o mesmo: oferece-se descontos em troca de dados pessoais dos visitantes.

Crime

Para Renato Opice Blum, professor de direito digital do Insper, é um caso de estelionato. "Caso o criminoso seja identificado, a pena é de até cinco anos de prisão e pode aumentar de acordo com o número de pessoas atingidas pelo golpe aplicado", afirma o advogado.

Golpe em Recife

Em 31 de janeiro, um homem confessou aplicar golpes em passageiros do Grande Recife que se utilizavam dos serviços da Uber e do Easy Taxi. De acordo com a Polícia Civil, o indivíduo chegou a desfalcar 30 pessoas. A tática usada pelo homem era cobrar uma taxa de serviço adicional. Debitada diretamente do cartão de crédito do usuário, o valor chegava a custar 15 vezes o preço da corrida. Um inquérito já foi aberto para investigar o caso.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias