Greve Geral

Rodoviários encerram protesto no Centro do Recife

A manifestação ocorreu durante toda a manhã desta sexta-feira (30)

JC Online
JC Online
Publicado em 30/06/2017 às 12:25
Guga Matos/JC Imagem
FOTO: Guga Matos/JC Imagem
Leitura:

Os rodoviários encerraram por volta das 12h desta sexta-feira (30) o protesto que interrompeu a circulação de ônibus em parte do Centro do Recife. A manifestação endossou a greve geral, deflagrada por centrais sindicais para esta sexta, contra as reformas propostas pelo governo Temer.

O protesto teve início por volta das 6h40, quando rodoviários pararam os veículos na Ponte Duarte Coelho, Avenida Guararapes e Rua do Sol. O protesto vai contra a decisão do (STTREPE) de não aderir à paralisação desta sexta-feira. Nessa quinta-feira (29), o sindicato decidiu não paralisar em respeito à decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (TRT), que ordena que rodoviários garantam o mínimo de circulação durante greve geral.

Com o protesto, o trânsito na Avenida Conde da Boa Vista ficou complicado no sentido Cidade. A Ponte Maurício de Nassau também ficou engarrafada. Houve agentes da Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) para orientar os motoristas no local. De acordo com a CTTU, a alternativa para os motoristas foi seguir a Rua do Príncipe para chegar à Ponte Princesa Isabel.

Ônibus paralisaram desde as as vias do bairro de Santo Antônio, no Centro -
Guga Matos/JC Imagem
Ônibus paralisaram desde as 07h - Guga Matos/JC Imagem
Guga Matos/JC Imagem
Rodoviários paralisaram na Avenida Guararapes - Guga Matos/JC Imagem
Guga Matos/JC Imagem
Os rodoviários pararam os ônibus da Ponte Duarte Coelho, no Centro do Recife - Guga Matos/JC Imagem
Guga Matos/JC Imagem
Rodoviários paralisaram na Avenida Guararapes - Guga Matos/JC Imagem
Guga Matos/JC Imagem
Ônibus também ficaram parados na Rua do Sol - Guga Matos/JC Imagem
Guga Matos/JC Imagem
Rodoviários bloquearam o sentido Cidade da Ponte Duarte Coelho - Guga Matos/JC Imagem
Guga Matos/JC Imagem
Ônibus parados na Ponte Duarte Coelho - Guga Matos/JC Imagem
Guga Matos/JC Imagem
Rodoviários deram pausa às 7h - Guga Matos/JC Imagem
Guga Matos/JC Imagem
Rodoviários deram pausa às 7h - Guga Matos/JC Imagem
Arnaldo Carvalho/JC
O trânsito na Ponte Maurício de Nassau ficou complicado - Arnaldo Carvalho/JC
Guga Matos/JC Imagem
Ônibus parados na Avenida Guararapes, uma das principais do Centro - Guga Matos/JC Imagem
Guga Matos/JC Imagem
Ônibus parados na Avenida Guararapes, uma das principais do Centro - Guga Matos/JC Imagem
Guga Matos/JC Imagem
Ônibus parados na Avenida Guararapes, uma das principais do Centro - Guga Matos/JC Imagem
Guga Matos/JC Imagem
Avenida Guararapes com os ônibus parados - Guga Matos/JC Imagem
Guga Matos/JC Imagem
Apesar de afirmar que não iriam paralisar, os rodoviários realizam protesto no Centro - Guga Matos/JC Imagem
Guga Matos/JC Imagem
Passageiros fazem percurso a pé no Centro do Recife - Guga Matos/JC Imagem

Paralisação na segunda-feira

A partir da 0h de segunda-feira (3), os rodoviários deverão cruzar os braços por tempo indeterminado. É o que afirma o presidente do sindicato que representa a classe (STTREPE), Genildo Pereira. A medida acontece após cinco tentativas de frustradas de negociação salarial. Genildo explica que não houve conciliação em torno do dissídio coletivo com a Urbana-PE, sindicato que representa as empresas de ônibus. “Não houve consenso. Após cinco rodadas de negociação, fizemos uma assembleia geral e a categoria decidiu pela greve. A priori, a paralisação será de 100%”, diz.

A proposta final do sindicado é de reajustes de 7% no piso salarial e 25% no ticket alimentação, assim como a manutenção dos cobradores nos ônibus. De acordo com Aldo Lima, rodoviário da oposição e integrante do movimento CSPconlutas, foi oferecido apenas 4% de aumento. Procurada pelo JC para comentar o assunto, a Urbana-PE afirmou não ter sido notificada oficialmente da decisão da categoria.

Atualmente, motoristas ganham R$ 2.113,01; cobradores, R$ 971,97; e ficais e despachantes, R$ 1.366,40. O vale-alimentação passou de R$ 205 para R$ 225, sendo pago também durante as férias. O reajuste foi de 9,5% e aceito após seis rodadas de negociação. Se a proposta do sindicato (7% sobre o salário e 25% sobre o vale-alimentação) fosse aceita, os motoristas, por exemplo, passariam a ganhar R$ 2.260,90; e o vale seria elevado para R$ 281,25.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias